Tim Berners-Lee, o pai da web, quer proteger e consagrar a independência da internet: ele diz que precisamos de uma Constituição online para proteger os direitos dos usuários no mundo inteiro.

Em entrevista ao The Guardian, ele disse que “precisamos de uma constituição mundial – uma declaração de direitos”. Ele continuou:

A menos que tenhamos uma internet neutra e aberta, na qual possamos confiar sem nos preocuparmos com o que está acontecendo nos bastidores, não poderemos ter um governo aberto, boa democracia, boa assistência médica, comunidades conectadas e diversidade de cultura. Não é ingênuo pensar que podemos ter isso, mas é ingênuo pensar que podemos conseguir isto sem qualquer esforço.

Berners-Lee explica que a internet vem sofrendo recentemente “um crescente ataque de governos e de influência corporativa”, e diz que todos os nossos direitos digitais estão sendo lentamente corroídos. A resposta, ele acredita, é uma mudança radical na política:

[Nós] precisamos que nossos advogados e nossos políticos entendam de programação, para entender o que pode ser feito com um computador. Também precisamos rever boa parte da estrutura jurídica, a lei de copyright – que coloca pessoas na prisão mas foram em grande parte definidas para proteger os estúdios de cinema… Nada disso foi criado para preservar o diálogo entre os indivíduos e a democracia que precisamos para governar o país.

São ambições elevadas, claro, mas Tim é conhecido por elas: em novembro, após revelar que 30% dos países no mundo bloqueiam ou filtram conteúdo político na internet, ele pediu “medidas ousadas” para proteger a liberdade de expressão online.

E no Brasil, temos uma ideia semelhante. A presidente Dilma Rousseff promete levar à ONU uma proposta para o Marco Civil Internacional da internet, que defina os direitos e deveres dos usuários, empresas e governo. Isso será feito, segundo a presidente, quando o Marco Civil for aprovado no Brasil – o que ainda não aconteceu.

A entrevista com o Guardian marca o 25º aniversário da proposta inicial da World Wide Web, feita por Berners-Lee em 12 de março de 1989. A web foi inaugurada em 1991, e se tornou pública em 1993. [The Guardian]

Foto por European Parliament/Flickr