Em 2010, a Panasonic LX5 era uma câmera de bolso gloriosa. E hoje ela ainda é assim, oferecendo controles manuais completos para entusiastas, ótima qualidade de imagem e um belo estilo Leica. Além de manter o mesmo visual, a nova Panasonic Lumix DMC-LX7 leva mais que um aumento nas especificações: ela é uma versão mais rápida e evoluída da sua predecessora de 2010.

A Panasonic apresentou um monte de novas câmeras digitais hoje, mas delas, três são realmente interessantes. A Panasonic Lumix LX7 é uma point-and-shoot avançada que dá bastante controle a entusiastas por US$500. A Panasonic Lumix G5 é uma câmera mirrorless de lentes intercambiáveis com sensor micro quatro-terços que parece uma DSLR. E a SZ5 é uma point-and-shoot pequenininha com conectividade Wi-Fi. As câmeras chegam aos EUA em agosto, e eis o que você precisa saber sobre elas.

Panasonic Lumix LX7



A LX5 sempre foi considerada uma sósia compacta da Leica, e a Panasonic continuou com esta fórmula, usando até mesmo a ótima lente Leica 24mm. Ela tem um corpo maior e mais fácil de manusear que sua concorrente, a super-pequena Canon S100. Ela tem o mesmo anel para ajuste de exposição que a torna mais profissional – ou pelo menos semiprofissional – e no todo, o design permanece uma obra de arte que cabe no bolso.

Mas você vai amar a LX7 porque ela é a LX5, porém com mais versatilidade na hora de tirar fotos. Ela tem um sensor de 1/1,7 polegada com 10,1 megapixels, em vez do sensor de 1/1,63″ com 10MP da LX5. Ou seja, a Panasonic aumentou o tamanho do sensor mantendo a resolução: isto significa que a LX7 captura mais detalhes e mais luz. E a nova lente é um grande avanço: a LX7 tem uma exposição máxima de f/1.4, comparado ao máximo de f/2.0 na LX5. Pode não parecer muito, mas é um grande salto numa área importante: fotos em pouca luz.

E nas outras especificações, a LX7 traz ainda mais boas novidades. Em modo sequencial, ela tira até 11 fotos por segundo na resolução máxima, o que é muito rápido. O nível máximo de ISO foi para 6400 (era 3200), o que lhe dará mais liberdade para fotos em movimento ou pouca luz. Mirando no crescente mercado de câmeras para fotografia que também são competentes em vídeo, a LX7 agora grava em Full-HD a 60fps – a LX5 filmava só em HD.

Será que a LX7 vai manter a excelência da LX5? Saberemos em agosto.

Panasonic Lumix G5

No mundo de câmeras mirrorless com lentes intercambiáveis, há dois estilos. Primeiro, as câmeras encolhidas que tentam esconder seus sensores com tamanho de DSLR em seus corpos pequenos. E há câmeras que se mantêm volumosas, mas ganham em facilidade de manuseio e funcionalidade. A Panasonic Lumix DMC-G5 é do segundo tipo. Ela tem o mesmo sensor micro quatro-terços das outras câmeras na série G, como a fabulosa GX1, mas ela poderia ser confundida com uma DSLR: ela tem uma mira – eletrônica, é claro – e uma tela móvel de 3″, além de vários botões para facilitar os ajustes.

Uma das melhores partes das câmeras G-series recentes tem sido a touchscreen líder de mercado, que facilita muito os ajustes nas configurações. Sabe o “toque para focar” dos smartphones? Essa câmera tem. Nosso único problema sempre foi com a interface nessas touchscreens – ela sempre é muito feia – e são menos ágeis do que você esperaria. Nós brincamos com uma G5 de pré-produção e, pelo que pudemos ver, a Panasonic resolveu vários desses problemas: a interface ficou mais limpa, mais bonita, e a tela responde tão rápido quanto em um smartphone.

Pelo preço – cerca de US$999 com lente 14-42mm – a G5 parece ser uma boa opção: ela é mais barata que a Samsung NX20, da qual não gostamos muito, e tem uma touchscreen, algo que falta e muito na linha de câmeras SLT mirrorless da Sony.

Panasonic Lumix DMC-SZ5

Com a Lumix DMC-SZ5, a Panasonic segue a crescente tendência entre fabricantes de câmeras, como Samsung e Canon, de incorporar Wi-Fi em seus produtos – especialmente nos modelos point-and-shoot. Faz sentido: hoje em dia, essas câmeras estão concorrendo contra smartphones, que conseguem postar fotos instantaneamente na web.

Mas a Panasonic está indo por um caminho completamente diferente de suas rivais. Em vez de abordar o problema embutindo redes sociais no hardware, a SZ5 depende do seu computador ou dispositivos com iOS ou Android para isso. Esta abordagem faz todo o sentido, já que permite à Panasonic embutir Wi-Fi sem ter que atualizar um software desajeitado na câmera. O preço da SZ5 será anunciado em breve. [Panasonic: LX7 | G5 | SZ5]