As montanhas Black Hills, que se estendem entre a Dakota do Sul e Wyoming, nos Estados Unidos, são conhecidas por suas florestas exuberantes, belas cachoeiras e um sistema denso de cavernas. Mas há 150 milhões de anos, enormes dinossauros de pescoço longo, chamados de saurópodes, vagavam por lá — e os cientistas conseguiram identificar a pata fossilizada de um desses.

Como é que um dinossauro de 110 milhões de anos preservou sua pele?
Estranho novo dinossauro era parte pato, parte velociraptor

O fóssil quase completo da pata, composta por 13 ossos, foi descoberto em 1998 a partir de uma estrutura de rocha que abrange vários estados chamados de Formação Morrison. Essa área produziu uma riqueza de fósseis de dinossauro do período jurássico tardio, ou entre 155 milhões e 148 milhões de ano atrás. Os cientistas desenterraram lá diplodocus, alossauros e stegossauros, entre outras espécies. A quantidade impressionante de fósseis lá, comparável com o número de pesquisadores especializados para examinar as amostras, é o motivo por que levou duas décadas para identificar essa pata enorme.

A pata parece que pertencia a um braquiossauro (ilustrado na imagem que abre o post) que tinha mais de 20 metros de comprimento, escreveram os pesquisadores do artigo publicado nesta terça-feira (24) no PeerJ. Para descobrir isso, eles usaram uma técnica de escaneamento 3D para fazer imagens computadorizadas dos ossos da pata, e compararam com outros fósseis de patas de saurópodes.

Pesquisador da Universidade do Kansas posa próximo ao local onde foi encontrada a pata em 1998. Uma cauda de dinossauro ficou sobre os ossos gigantescos. Crédito: KUVP archives

“É muito provável que seja um tipo de braquiossauro, aquele que ficou famoso no filme Jurassic Park (e que depois foi horrivelmente morto no Fallen Kindgom)”, disse Femk Holwerda, um dos autores do estudo e paleontologista do Bavarian State Collection of Paleontology and Geology, ao Gizmodo por e-mail. “O único problema é que a pata dificilmente dá a certeza sobre a espécie, daí a designação de braquiossauro, e não para qualquer espécie em específico.”

O mesmo local de escavação onde esta pata foi desenterrada no nordeste de Wyoming também continha um braquiossauro quase completo, e uma série de outros dinossauros de pescoço longo, como os diplodocus e camarasaurus. A equipe de pesquisa ficou surpresa em ver um braquiossauro daquele no norte, pois imaginava-se que os animais ocupassem locais menos e mais ao sul.

“Esse braquiossauro nas Black Hills em Wyominyg levanta algumas questões”, disse David Burnham, um paleontologista da Universidade do Kansas que trabalhou no estudo. “As espécies de braquiossauro do Sul são diferentes? Ou talvez eles tenham migrado do norte para o sul? São centenas de quilômetros de onde nós achávamos que essa espécie ficava, então nós temos um monte de novas perguntas. É sensacional — saúdo as novas perguntas e oportunidades para futuras pesquisas.”

Ainda assim, a pata gigante do braquiossauro é notável não só pela localização. Com pouco mais de um metro de largura, os pesquisadores disseram que é a maior pata de saurópode já descoberta. Philip Mannion, um paleontologista do Imperial College London e que não estava envolvido com o estudo, concorda com com essa avaliação.

“Os metatarsos parecem ser mais longos do que os de quaisquer outros dinoassauros saurópodes conhecidos, então, nesse sentido, este é provavelmente o maior pé já descoberto”, disse Mannion ao Gizmodo. “Existem outras espécies com pés que não são muito menores.”

Além disso, Mannion e os autores do estudo dizem que nunca encontramos patas do maior dos saurópodes, o titanossauro e o argentinossauro, que claramente superariam a pata desse braquiossauro. Nós não vimos as patas desses dinossauros ainda, pois os fósseis dos pés são sutis, de acordo com Anthony Maltese, paleontólogo do Rocky Mountain Dinosaur Resource Center, no Colorado, e um dos autores do estudo. Ao longo da história, essas patas tiveram uma chance muito maior de se perderem nos cursos de água ou serem destruídos por escavadores, porque são pequenas se comparadas com o resto do animal. Isso torna essa descoberta recente ainda mais interessante.

“É ótimo ter finalmente uma pata de braquiossauro”, disse Elizabeth Freedman Fowlwer, uma paleontologista da Universidade Estadual de Dickinson, e que não participou do estudo. “Conseguir um pé decentemente completo para qualquer dinossauro é um achado de sorte. À medida que continuamos escavando e descobrindo mais ossos, estamos tendo uma ideia de quão grande cada espécie de dinossauro era. Acho que vamos continuar quebrando o recorde de ‘maior pata’ por muitos anos.”

[PeerJ]

Ilustração do topo: Nobu Tamura/Wikimedia Commons