Este peixe-robô é bem impressionante: ele parece muito com um peixe de verdade. Criado no MIT, ele é integrante de um campo da robótica que vem ganhando força, chamada “robótica suave”.

Os “robôs suaves” não apenas possuem um corpo macio, como também contam com canais flexíveis e conseguem imitar com bastante realismo o movimento de organismos. Como um peixe, neste caso. Com corpo de silicone, ele consegue fazer uma manobra com bastante rapidez, mais ou menos como se seu corpo fosse como o de um peixe real.

Ele foi criado a partir de um núcleo rígido, onde fica o seu “cérebro. Uma porção macia utiliza um fluido armazenado em estado gasoso, e a sua liberação é responsável por fazer ele se mover.

Cientistas acreditam que o desenvolvimento deste peixe pode dar um bom impulso para a robótica suave – ele mostra como essa categoria de robôs pode ser mais versátil em certas aplicações em relação às versões “duras”, além de poder ajudar a coletar informações sobre o comportamento desses animais na natureza.

O problema dele é o quanto ele gasta em combustível: ele consegue fazer entre 20 e 30 manobras de fuga antes de parar completamente. Um novo modelo está sendo desenvolvido com a capacidade de nadar por até 30 minutos. Não é nada impressionante – especialmente quando lembramos daquele peixe-robô que pode nadar quase eternamente. [MIT via TechCrunch]

Foto por M. Scott Brauer/MIT News