A prática de jogar videogame com a tela dividida (pense em Mario Kart) parece cada vez menos comum – o que é uma pena. Não sei se foram os jogos online ou o fato de que as pessoas ficaram desacostumadas a jogarem em telas pequenas. Qualquer que seja o motivo, a Philips quer ajudar a reavivar a prática do jogo compartilhado na mesma TV com um curioso uso da tecnologia 3D. Usando os óculos 3D (esses de cinema) em uma TV especial, será possível que duas pessoas joguem na mesma TV, com cada um vendo o seu lado do jogo na tela inteira. É a maravilha do 2D aplicado para o 3D. Vai fazer mais sentido quando você assistir esse vídeo:

O princípio da tecnologia é relativamente simples, e teoricamente funciona em qualquer tela que passe conteúdo 3D para óculos passivos (por enquanto, apenas uma TV da Philips e outra da LG, que chegam ao mercado brasileiro no primeiro semestre). Ao contrário da TV 3D para “óculos com obturador ativo”, como as que estão no mercado hoje, esse tipo de TV 3D que a Philips mostrou pra gente exibe as imagens para o olho direito e esquerdo ao mesmo tempo na tela.

Os óculos que a acompanham, iguais a esses que você usa no cinema 3D, separam perfeitamente as imagens e seu cérebro têm a sensação de 3D ao juntar as duas metades e ser enganado com a profundidade artificial. Mas e se o seu objetivo não for criar o 3D, mas apenas separar as imagens? Basta que você coloque os óculos e feche um dos olhos. Ou, para não usar acessórios de pirata, faça óculos juntando as duas lentes do olho esquerdo ou do olho direito de outros pares (não precisa recortar e colar, aparentemente, a Philips planeja lançar em um futuro próximo algo como isso).

O novo esquema não dá a sensação de profundidade, mas na prática, faz com que seja possível colocar duas imagens completamente distintas na mesma tela ao mesmo tempo. Perguntamos aos engenheiros da Philips se o utópico “ver futebol e ver novela na mesma TV” poderia funcionar no futuro e a resposta foi sim. Basta ter uma TV que consiga embaralhar as duas imagens e óculos que separem. Na prática, com a tecnologia dos óculos passivos (que por sinal é mais barata), é menos complicado do que parece.

Por enquanto o truque que a Philips mostrou aqui em Barcelona funciona bem – especialmente porque os óculos “passivos”, mais leves e que não diminuem tanto o brilho, são mais confortáveis. Mas há algumas limitações. Como a imagem é embaralhada, ela não é Full-HD, mas duas imagens em 540p sobrepostas. A uma distância razoável a imagem fica bem boa, mas de perto vê-se a perda de qualidade. Outro problema é que os jogos (ou operadoras de TV a cabo) ainda não têm o modo “split-screen na mesma tela”, então a TV pega as duas metades pré-estabelecidas de uma imagem (no caso do protótipo, um jogo do Sonic dividido horizontalmente) e a estica, causando alguma deformação. Mas como aparentemente a Sony também está estudando a mesma tecnologia (tendo patenteado coisa semelhante ano passado), é possível que este modo apareça em jogos no futuro. E, finalmente, depois de dois anos de promessas e apenas meia dúzia de jogos e filmes que implementaram mal a tecnologia, o 3D vire útil para gamers. Mas para jogar em 2D.

* O Gizmodo viajou para o Barcelona Media Event 2011 a convite da Philips, mas não conseguiu ver o golaço do Messi de perto.