As competidoras dos saltos ornamentais dos Jogos Olímpicos tiveram uma surpresa quando chegaram ao ginásio da competição no Rio de Janeiro: a piscina ficou verde da noite pro dia. Enquanto isso, na piscina ao lado dedicada ao polo aquático, a água estava azul cristalina. A mudança deixou todo mundo perplexo, e aparentemente se trata de proliferação de algas.

Como os atletas olímpicos vão sobreviver ao nadar nas águas sujas do Rio de Janeiro
A ciência por trás da terrível queda que hospitalizou uma ciclista olímpica

Não demorou muito para sugerirem que fizeram xixi na piscina e por isso ela ficou verde. Mas existem mais chances de ser algo mais científico do isso, como apontou o químico Raychelle Burks no Twitter: “algas ou cobre oxidado são os motivos mais comuns – nada de gosma alienígena ou ectoplasma”.

Algumas competidoras disseram que a água estava tão turva que não conseguiam ver suas companheiras de salto. Esta foto comparativa do Deadspin mostra como a água realmente ficou diferente. De acordo com um manual de química para piscinas, o cobre oxidado normalmente deixa a água esverdeada e clara, em vez de turva. Quando a piscina fica mais escura, normalmente é culpa das algas.

A proliferação de algas pode começar depois de mudanças nos níveis de cloro da piscina. Um jeito comum de evitar isso é justamente aplicar cloro durante a noite, para matar qualquer alga que exista. E se esse for o caso, alguém deve ser demitido nas próximas horas. O Comitê Olímpico Internacional está apurando o caso e deve publicar um comunicado em breve.

“Foram feitos testes nas águas do Parque Aquático Maria Lenk e não encontramos nenhum risco à saúde dos atletas”, disse um porta-voz na quinta-feira. “Estamos investigando as causas dessa situação, mas estamos felizes em dizer que a realização da competição foi um sucesso.”

Enquanto isso, os atletas olímpicos continuam usando a piscina normalmente e aparentemente não estão preocupados com isso. Ainda assim, a situação não é muito agradável. As Olimpíadas do Rio já receberam algumas críticas a respeito das águas da Baía de Guanabara.

Curiosamente, algumas atletas disseram que a cor da água ajudou. “Você vê como a piscina do lado estava com aquele azul brilhante, transparente. Com o sol forte, isso dificulta a visão do saltador. Com a água escura daquele jeito, pelo menos dava para enxergar melhor. Fiquei preocupada, mas não estamos com nenhuma coceira, nenhum problema”, disse Roseline Filion, medalhista de bronze na prova.

Foto: piscina de saltos ornamentais no dia 8 de agosto (esquerda) e no dia 9 de agosto (direita). Por: AP/Matt Dunham.