O recém-descoberto planeta KELT-4Ab tem três sóis – mas a vista solar tripla não é a única coisa estranha que acontece nele.

Os detalhes da descoberta do planeta de três sóis foram publicados no Astronomical Journal. Conversamos com o autor principal do estudo, Jason Eastman, do Centro Harvard-Smithsonian de Astrofísica, para saber um pouco mais sobre os três sóis que se movem pelos céus do planeta.



Ele falou um pouco sobre como isso deve ser, tanto ao longo de alguns dias quanto de milhares de anos:

Você veria a estrela principal com cerca do tamanho da sua mão completamente aberta (cerca de 40x o tamanho aparente do Sol). Seu ano e seu dia seriam iguais: três dias terrestres, o que significa que metade do planeta estaria em luz do dia constante e a outra metade em escuridão profunda.

Você também veria dois pontos de luz com cerca de dois graus de distância, com o brilho de uma lua cheia (KELT-4BC). Esses dois pontos orbitam um ao outro a cada 30 anos terrestres, e a cada 4.000 anos, eles completam uma órbita no céu (isso é, por 2.000 anos, eles nascem durante o verão, e por outros 2.000 anos, eles nascem durante o inverno).

Apesar de incomum, o KELT-4Ab não é o primeiro planeta de três sóis descoberto. Outros sistemas de estrela tripla, como o HD 1885 Ab na imagem que abre o post, também contam com céus parecidos. O que faz esse ser tão especial? Os outros sistemas foram descobertos em lugares muito mais distantes – este está a  “apenas” 685 anos-luz de distância, o que nos dá uma oportunidade de aprender mais sobre como esses sistemas se formam.

“Como ele está tão perto”, diz Eastman, “podemos estudar visualmente as órbitas de todas as três estrelas, e aprender mais sobre esse processo pouco compreendido para entender qual papel ele tem na formação e evolução dos planetas.”

Imagem: Conceito artístico do HD 1885 Ab/NASA JPL CALTECH