Por mais desagradáveis que os insetos possam parecer para algumas pessoas, esses animais são extremamente cruciais para o funcionamento dos ecossistemas do nosso mundo. E, infelizmente, novas pesquisas mostram que as populações dessas criaturas estão à beira do colapso. Estima-se que muitas populações de insetos estão diminuindo entre 1% e 2% ao ano.

Esse é o tema da última edição do relatório “Declínio Global de Insetos no Antropoceno Especial”, do Proceedings of the Natural Academy of Sciences, que inclui 12 artigos conduzidos por 56 autores detalhando o rápido declínio dos insetos.

Uma razão para esse extermínio é a degradação do habitat natural em que os insetos vivem. Como mostra um dos estudos, as mudanças no uso da terra para a agricultura são uma das principais causas. “A industrialização da agricultura durante a segunda metade do século 20 envolveu a ampliação da monocultura, a aplicação de quantidades crescentes de pesticidas e fertilizantes e a eliminação de sebes intercaladas e outros fragmentos de habitat da vida selvagem. Todas são práticas que destrutivas para insetos e biodiversidades dentro e perto dos campos ”, diz o estudo.

O problema é generalizado: agora, cerca de 11% do solo terrestre da Terra está sendo usado para o cultivo e 30% para pastagem na pecuária. Os autores estão particularmente preocupados com os impactos da agricultura nas regiões tropicais, onde o desmatamento para limpar terras para a agricultura é comum.

“Dado que a grande maioria da diversidade de espécies de insetos é encontrada nos trópicos, o desmatamento certamente está entre as maiores ameaças à biodiversidade de insetos do mundo”, diz a pesquisa. Como os cientistas estimam que menos de 15% dos insetos nos trópicos já foram descobertos por humanos, isso significa que muitas espécies serão extintas antes mesmo de sabermos que existem. Isso pode dificultar a compreensão dos efeitos que sua perda terá sobre os ecossistemas florestais em geral.

Os autores do estudo também destacam a questão da degradação das pastagens do mundo. Visto que grande parte da terra é usada para plantar e alimentar animais, os insetos nativos desses lugares – incluindo muitos tipos de borboletas, mariposas, formigas, abelhas e vespas – estão entre os que correm maior risco.

Um contribuinte ainda maior para o declínio dos insetos é a crise climática. “De espécies invasivas à perda de habitat, pesticidas e poluição, os estressores do Antropoceno (período mais recente da história do planeta Terra) são muitos e multifacetados, mas nenhum é tão difundido geograficamente ou tem a probabilidade de interagir com todos os outros fatores como a mudança climática”, diz o estudo.

Os autores realizaram uma meta-análise da literatura a partir do monitoramento de longo prazo das populações de insetos e encontraram muitos casos de diminuição do número. Nas montanhas da Califórnia, por exemplo, o aumento da temperatura média diária mínima fez com que algumas populações de borboletas despencassem, especialmente durante os anos mais secos, porque o clima mais quente atrapalhava seus horários de acasalamento e acesso a plantas produtoras de néctar. O mesmo acontecia com as populações de mariposas em meio a altas temperaturas na Finlândia e no Reino Unido, que enfrentaram desafios para manter a temperatura corporal ideal.

Em outros lugares, no entanto, os insetos prosperaram no clima mais quente. Os autores encontraram evidências disso em partes de baixa altitude da Califórnia e da Europa Central. Isso porque, em algumas regiões, as temperaturas mais altas ajudaram as larvas a crescerem mais rápido e fizeram com que alguns insetos acasalassem com mais frequência. Isso pode parecer uma coisa boa, mas muitos insetos também são um problema, pois suas enormes populações podem desequilibrar ecossistemas e sociedades. Basta olhar para os enormes enxames de gafanhotos que assolaram a África Oriental no ano passado, devastando terras agrícolas em uma área onde muitos já sofrem de fome crônica.

Claramente, há uma necessidade global de garantir que os níveis da população de insetos fiquem onde deveriam estar. Em uma peça de perspectiva que contextualiza as descobertas de outros 11 artigos, os pesquisadores apresentam as principais maneiras pelas quais os líderes mundiais podem fazer isso acontecer.

Primeiro, os esforços devem incluir um monitoramento mais cuidadoso da saúde e da extensão das populações de insetos, bem como fatores determinantes – do aumento da temperatura ao uso de pesticidas. Além de estabelecer um novo monitoramento, os autores pedem mais recursos para serem colocados na análise de dados já existentes, muitos dos quais são mal analisados ​​ou nem olhados. A nova edição do PNAS, por exemplo, inclui a primeira análise de dados de insetos do programa de Pesquisa Ecológica de Longo Prazo dos Estados Unidos, desde que foi estabelecido em 1980.

Mesmo se não aumentarmos o monitoramento e a análise, os pesquisadores sugerem que os líderes globais trabalhem para conter a quantidade de terra usada para a agricultura e a quantidade de pesticidas permitidos para uso. Também indicam políticas para reduzir rapidamente as emissões de gases de efeito estufa para conter a crise climática.