Quando o Facebook, Instagram e WhatsApp ficaram fora do ar por seis horas na segunda-feira (4), a maneira como você reagiu provavelmente se baseou em dois critérios: onde você mora e onde sua família vive.

Para aqueles que vivem no chamado “Norte Global ” — uma expressão socioeconômica meio capenga que abrange países como os Estados Unidos e o Canadá — a notícia provavelmente veio como um alívio. Você pode achar o Facebook um site horrível com um design horrível, cheio de pessoas horríveis e que quanto menos tempo alguém gastar nele, melhor. Mas se você mora em um lugar como o Brasil, Uganda ou qualquer outro país no “Sul Global”, os serviços do Facebook não são apenas aplicativos onde seu tio esquisito vai para compartilhar memes Trump.

Na verdade, eles não são aplicativos. São utilitários. Eles são comunicação, e-commerce, fonte de informações e lista de contatos, tudo de uma vez. Então, quando tudo isso acontece, você não fica aliviado. Você fica em pânico. E se você tem entes queridos do outro lado da divisão Norte/Sul, provavelmente eles também ficarão em pânico.

Como alguém que enfrenta essa divisão para manter contato com a própria família em Israel — um país que é considerado no Norte Global, mas onde cerca de 90% dos cidadãos têm o WhatsApp baixado em seus telefones — posso confirmar que também estamos um pouco cansados. Estamos cansados ​​de tentar incluir nossos primos em qualquer um dos outros aplicativos disponíveis para mensagens no exterior e cansados ​​de perceber todas as vezes que isso é simplesmente inviável. Um economista pode dizer que os custos sociais envolvidos com a mudança são muito altos, mas acho que há uma maneira mais simples de colocar isso: quando toda a sua vida está em um pacote de aplicativos, cortar esses aplicativos da sua vida é como uma cirurgia virtual.

Em primeiro lugar, o que acontece é que ninguém parece saber o motivo de suas vidas estarem nesses aplicativos.

Acontece que o “motivo” é… complicado. O Sul Global engloba dezenas de países em vários continentes e, por isso, não podemos cobrir de forma adequada as socioeconômicas e culturais que resultaram em cada um desses países ficando acorrentados a menos de meia dúzia de aplicativos. Mas, se você der um passo para trás e olhar bem a fundo, o que fica claro é que o Facebook nunca foi o vilão. (ou, pelo menos, não é o vilão que você imagina) As companhias telefônicas são.

Pesquisadores de mercado da América do Norte costumam falar sobre a geração “celular primeiro” ao falar sobre a Geração Z, o que é uma forma educada de dizer que adolescentes e pré-adolescentes ficam presos em seus dispositivos móveis o tempo todo. Mas, no mundo em desenvolvimento, não é uma questão de “celulares primeiro” — é “apenas celulares”. Em países como Índia, Indonésia e Brasil, os celulares costumam ser a única forma de as pessoas acessarem a internet. O mesmo vale para a grande maioria da África Subsaariana, onde cerca de 50% dos cidadãos têm acesso a algum tipo de dispositivo móvel, quando apenas uma fração tem esperança de possuir um computador pessoal de qualquer tipo. Em uma pesquisa da Pew Research, realizada em 2019, em 11 mercados emergentes diferentes — incluindo Quênia, Colômbia e Filipinas — 54% dos internautas entrevistados disseram que estavam usando a Internet sem qualquer acesso a um computador ou tablet em casa. Naquele mesmo ano, o número de jovens adultos que usam apenas celulares nos Estados Unidos chegou a 22% (e entre os adultos mais velhos, esse número chegou perto de 12%).

Mais uma vez, são muitos países, e muitos motivos de porque isto acontece. Mas, no geral, tudo se resume ao que você provavelmente já sabe: os telefones celulares geralmente são mais baratos do que os notebooks e sua bateria tende a durar mais tempo — especialmente se você estiver usando um celular mais modesto, como acontece muito nessas regiões. E quando você está potencialmente preso em uma região com acesso irregular à eletricidade básica, você precisa de toda a bateria que puder.

Isso não seria um problema se as operadoras de celular nessas regiões oferecessem planos de celular acessíveis aos cidadãos, mas muitas delas não fazem isso. Os relatórios mais recentes da World Wide Web Foundation, uma organização sem fins lucrativos dedicada a acabar com a exclusão digital em todo o mundo, descobriu que 1 GB de dados móveis pode custar a uma pessoa de 2,7% de sua renda mensal até assustadores 7%, dependendo de onde estão vivendo no Sul Global.

As operadoras de telecomunicações em áreas como Brasil e África do Sul desfrutam de um monopólio natural que saiu de controle nas últimas quatro décadas. Ao contrário dos EUA, porém, essas regiões nem sempre desfrutam da regulamentação de telecomunicações relativamente (e quero dizer relativamente) robusta que existe nos Estados Unidos. Portanto, as telecomunicações continuam grandes e os preços altos.

Os aplicativos foram a única coisa que tiraram os consumidores dessa bagunça. Em 2004 — o mesmo ano em que o Skype introduziu a capacidade de ligar para os telefones celulares e fixos das pessoas — o tráfego das operadoras internacionais começou a diminuir. E esse tráfego continuou diminuindo à medida que mais participantes entraram no mercado de mensagens móveis, incluindo o WhatsApp (2009) e o Facebook Messenger (2011). Pela primeira vez, os residentes de muitas dessas regiões finalmente tiveram uma maneira confiável e acessível de se manter em contato com a família que vive no exterior: tudo de que precisavam era um dispositivo barato e algum tipo de conexão à Internet.

Naturalmente, as empresas de telecomunicações ficaram apavoradas com tudo isso. Depois de alguns anos percebendo que não havia como competir com o grátis, eles relutantemente se abriram para parcerias lucrativas com esses provedores de aplicativos. Com base nessas negociações, algumas empresas de telecomunicações pararam de contar aplicativos como WhatsApp e Skype como parte do uso de dados de seus clientes, ou oferecendo a esses clientes acesso a uma série de aplicativos (conhecido como um “ pacote ”) por um determinado preço todo mês. Esse tipo de parceria continuou a prosperar ao longo dos anos, em alguns casos ultrapassando os serviços de SMS típicos como a forma preferida de bate-papo das pessoas.

E como o WhatsApp teve uma vantagem de dois anos no Facebook Messenger — sem mencionar a compatibilidade com uma tonelada de hardware móvel diferente — o WhatsApp estava obtendo mais parcerias e indo mais longe com elas. Portanto, o Facebook, sendo Facebook  fez o que costuma fazer nesse tipo de situação: comprou o WhatsApp em 2014 por sólidos $ 16 bilhões (mais $ 3 bilhões em ações para fundadores e funcionários) e continuou a firmar essas parcerias nos anos seguintes. E com isso, ele adquiriu uma base de usuários que consiste em grande parte do Sul Global.

Claro, é do Facebook que estamos falando. Portanto, nos anos desde essa aquisição, lentamente vimos a ferramenta que você usa para enviar mensagens para sua avó se transformar na ferramenta que você usa para enviar mensagens para seu encanador favorito, sua lanchonete local e, bem, qualquer outro negócio sob o sol. No verão passado, o Facebook concentrou as funções de compras no aplicativo no WhatsApp, seguido por um novo recurso de diretório de empresas locais no mês passado. Essas não são as primeiras atualizações voltadas para os negócios que o Facebook tentou implementar em seus aplicativos de mensagens e, definitivamente, não serão as últimas, mesmo que desejemos que sejam.

E esse é um grande “se”: para melhor ou pior, a indisponibilidade de segunda-feira foi um bom lembrete de quanto esses aplicativos revolucionaram a forma como as economias emergentes operam. Na América do Norte, estamos todos bem familiarizados com o conceito de compra por impulso de coisas que não precisamos depois de ver o anúncio em nosso feed do Instagram. Mas temos escolhas.

Temos bancos onde podemos entrar quando quisermos, Walmarts e Trader Joe’ses que estão prontos para receber nosso suado dinheirinho ou cartões de crédito quando os baixamos. Em grande parte do mundo em desenvolvimento, você tem apenas um aplicativo. E é muito provável que ele seja propriedade do Facebook.