A não ser que você tenha uma máquina de gelo profissional em casa, é muito provável que o gelo do seu freezer seja turvo. Um truque popular para fazer cubos de gelos mais cristalinos é congelar água destilada ou água fervida previamente. Contudo, mesmo esses truques não garantirão o cubo de gelo perfeitamente translúcido que você encontra em bares e restaurantes chiques.  Isso porque a transparência do gelo não depende apenas da pureza da água utilizada, o que significa que mesmo que você recolha as lágrimas de um santo e as purifique no melhor filtro do mundo, seu gelo ainda terá algumas bolhinhas.

Então qual é o segredo?

Peço para aqueles que tem tempo de sobra irem até a pia mais próxima para encher um copo de água. A não ser que você tenha enchido um copo sujo ou que more em um lugar com péssimo encanamento, teremos um copo de água perfeitamente límpida. É claro que poderemos ver algumas partículas insignificantes flutuando pelo copo, mas não o suficiente para explicar porque temos a impressão de que alguém enfia milhares de bolhas de ar dentro do freezer toda vez que você faz alguns cubos de gelo.

A resposta para esse mistério está na temperatura da água.  Muitas impurezas podem ser diluídas em um copo de água na temperatura ambiente. Como você deve lembrar das aulas de química do colégio, quanto mais quente a água, maior a quantidade de uma substância que ela é capaz de diluir. O açúcar, por exemplo, tem ligações moleculares muito frágeis, que se quebram com uma pequena quantidade de energia. Dessa forma, quando esquentamos a água e aumentamos sua energia, a quantidade de açúcar que essa água pode dissolver também aumente — e vice-versa. Você já deve ter observado esse fenômeno ao notar a diferença entre adoçar um chá quente e um chá gelado; ou após deixar que um copo de café adoçado esfriasse, notando que o açúcar é dissolvido completamente quando ele está quente, mas se acumula no fundo da caneca quando o café esfria.

É basicamente isso que acontece com o gelo. Quando a água é esfriada, todas as impurezas que estava alegremente diluídas na temperatura ambiente se separam do líquido e se tornam visíveis.

Você deve estar se perguntando porque essas impurezas tendem a se juntar no centro do cubo de gelo, ao invés de se espalhar uniformemente pelo cubo. Isso ocorre porque a água se cristaliza durante o processo de congelamento. Esse processo de cristalização ocorre de forma mais eficiente onde não há impurezas. Como resultado, as impurezas são empurradas, na água ainda em seu estado líquido, para o centro do cubo, enquanto a água é congelada de fora para dentro. É claro que eventualmente esse restinho de água também se solidifica, congelando também as impurezas.  (Esse conhecimento pode ser usado como uma forma de purificação de água: a água é congelada e depois derretida, mantendo-se apenas a parte clara dos cubos.)

Isso explica porque cubos de gelos parcialmente congelados, com o centro ainda no estado líquido, costumam ser bem transparentes — a água com sedimentos e impurezas ainda não esfriou o suficiente para torná-los visíveis.

O que são essas impurezas, exatamente, e de onde elas vêm? As sujeirinhas mais comuns são o cal, o fluoreto, o cálcio e uma série de outros materiais orgânicos que estão quase sempre presentes na água (vários deles são benéficos para a saúde, como o cálcio e o magnésio). Esquentar, descalcificar ou filtrar a água são formas de retirar algumas, ou até mesmo a maior parte dessas impurezas, e é por isso que a água fervida ou filtrada pode gerar cubos de gelo relativamente mais límpidos.

No entanto, como já mencionado, tirar todas essa impurezas não te garantirá um cubo de gelo completamente transparente. Então qual é o outro segredo? Conforme a água se cristaliza, pequenas bolhas de ar se formam dentro do líquido. Essas bolhas acabam presas dentro da água congelada, como todas as outras impurezas. Máquinas de gelo profissionais evitam que isso ocorra congelando a água em camadas, o que impede a formação dessas bolha de ar. Eles também costumam congelar a água de forma extremamente lenta (com uma temperatura muito maior do que a dos freezers comuns) para formar cristais de gelo maiores e para permitir que qualquer bolha de ar que venha a surgir escape antes do congelamento total.

Informação extra:

  • Será que é possível produzir cubos de gelos transparentes em casa, sem um freezer caríssimo? A resposta é sim; com um pouco de conhecimento e as ferramentas certas, você pode fazer cubos de gelo perfeitamente cristalinos para impressionar seus amigos. Clique aqui para descobrir uma das técnicas.
  • Outro fenômeno interessante que você pode ou não ter observado é que os cubos de gelos encolhem após algumas semanas dentro do freezer, graças à evaporação direta do estado sólido para o gasoso, sem que a água se liquidifique durante o processo. Isso é conhecido como sublimação.
  • O gelo encontrado na natureza é tipicamente transparente porque a água da chuva (e da neve) costuma ser bastante “pura”, ou livre da maior parte das impurezas (apesar da poluição do ar interferir nisso); esse gelo também costuma ser formado por neve congelada em camadas, o que impede a formação de bolhas.

Karl Smallwood escreve para o imensamente popular site de informações interessantes TodayIFoundOut.com. Para assinar o newsletter do Today I Found Out’s, clique aqui, ou curta sua página do Facebook. Você também pode dar uma olhadana conta do Youtube do site.

Esse post foi republicado com a permissão do TodayIFoundOut.com. Crédito  da imagem do topo:al 1962/Shutterstock.