Você leu o título certo. E ok, no sentido literal, custando a partir de R$ 3.199, os novos MacBook Air são qualquer coisa menos "baratos" dentro da realidade brasileira. Mas comparando o quanto que a concorrência brasileira coloca de lucro (impostos são os mesmos) em cima, o fato de os modelos mais simples não custarem o dobro ou o triplo do equivalente americano o tornam, forçando um pouco e jogando aspas, "baratos". Ok, não só "baratos". Muito mais baratos é melhor. Vejamos:

Para chegar a essa conclusão, comparamos os notes "de luxo" nos dois mercados. Por "luxo" entendam notes que custam mais de US$ 1.000 – uma dinheirama absurda para os gringos. Procuramos a configuração exatamente igual para uma comparação justa, mas é importante notar que os modelos nacionais de Vaio e Envy, por exemplo, são levemente diferentes. Acompanhe os screenshots das lojas tirados agora à tarde (clique para aumentar) ou veja a comparação em números logo depois:

Apple:

  

Dell: 

Sony:

HP:

Resumo numérico:

Apple Macbook Air, 11”, 128 GB: US$ 1.199 (EUA), US$ 1.912 no Brasil. 1,59 x o preço em dólares convertido.

Apple MacBook Air 13”, 256 GB: 1.599 (EUA) US$ 3.402 no Brasil. 2,12x o preço em dólares convertido.

Dell Alienware M11x básico: US$ 799 (EUA), US$ 1.969 no Brasil. 2,46x o preço em dólares convertido.

Sony Vaio série Z, 13”: US$ 1.849 (EUA), US$ 5.372 no Brasil. 2,9x o preço em dólares convertido.

HP Envy 14”, 640 GB: US$ 1.400 (EUA), US$ 4.477 no Brasil. 3,19x o preço em dólares convertido.  

Dell Alienware M15x básico: US$ 1.100 (EUA), US$ 4.178 no Brasil. 3,79x o preço em dólares convertido.

Novamente: não estamos discutindo qual computador é melhor, qual configuração é a sua preferida. Estamos nos debruçando sobre números e cifrões. Todos eles são normalmente importados (os PCs da classe normalmente também não têm teclado ABNT). Sofrem as mesmas taxas, são distribuídos por basicamente os mesmos canais, têm basicamente a mesma demanda – estamos falando de um público abastado que vai comprar seus notes em Fnacs e Fastshops da vida. Mas por que quando falamos dos MacBooks mais simples (o Air básico ou o MacBook branco, por exemplo) a conversão é tão mais favorável? 

Muita gente diz que o "posicionamento de mercado" é muito facilmente resolvido no Brasil: se você colocá-lo por um preço estupidamente maior, ele logo será percebido como um produto melhor. A própria Apple, com o MacBook Air mais caro, faz isso. Mas nos modelos de entrada, não. Por que a diferença?

Essa é a pergunta de 1 milhão de Reais, que já cansamos de fazer para executivos dessas empresas. Obviamente nunca nos deram uma resposta convincente. E, enquanto ninguém dá, as pessoas pobres continuam comprando coisas nos EUA. O que vocês chutariam?