Parece que a cultura da bicicleta está, felizmente, “pegando” no Brasil, especialmente aqui em São Paulo. Pelo menos é o que indica a existência do novo projeto Coletivas, que está nascendo na capital Paulista. A ideia é simples: criar um estoque de magrelas públicas que você e eu possamos pegar emprestado.

O projeto é sem fins lucrativos, e na verdade não utiliza dinheiro em parte alguma do processo. O empréstimo é todo feito na base da confiança, e funciona assim: quem tem uma bicicleta parada pode emprestá-la a um dos “zeladores”. Estes zeladores cuidam das bicicletas e repassam para quem tem interesse em usar, de acordo com o que for combinado com o dono original.



Para lidar com as bicicletas em mau estado de conservação que chegam como doação, o projeto cria uma oficina de consertos e reparos nas bikes. Tudo baseado em voluntariado, claro. A única coisa que vagamente lembra a ideia de um pagamento é que os usuários são “encorajados” a fazer melhorias nas bicicletas quando as devolverem. Desde uma lubrificada simples na correia até uma troca do câmbio inteiro, tudo é aceito.

As bicicletas, aliás, não recebem números de identificação. Elas são batizadas com nomes carinhosos. Uma boa ideia, afinal, você talvez fique mais propenso a cuidar bem da Chiquinha, até porque pode querer usá-la de novo qualquer dia. Se a bike se chamasse #37…

Desde que eu visitei Barcelona e pude experimentar o sistema de bicicletas públicas, fiquei com vontade de ir pra todo lugar pedalando. Mas não tenho uma bicicleta, nem muito espaço para guardar uma em casa. Quem sabe eu não uso uma Coletiva? [Projeto Coletivas]