Primeiro, respire fundo. Você não tem que ver a foto a menos que escolha clicar nela.

Dito isso, prepare-se para algumas más notícias sobre fones de ouvido intra-auriculares… sim, os mesmos que eu já elogiei tanto em sites como o Evolver.fm, a CNET e a Wired.com na última década.

Na última quarta, quando meu voo vindo de Austin no Texas chegou em Nova Iorque eu deixei um detalhe muito importante passar batido. Um dos meus earbuds Etymotic não estava igual ao outro (veja a foto na esquerda).

Eu nunca tive uma infecção no ouvido ou mesmo dor de ouvido a minha vida inteira, ainda assim nos últimos dias, eu senti uma dorzinha no ouvido que às vezes ficava forte – especialmente quando dormia do meu lado esquerdo.

Imaginei que existe uma primeira vez para tudo. Eu estava errado.

No final de semana, eu tentei usar um cotonete (dica do médico: nunca use cotonetes) no meu ouvido esquerdo, mas ele não entrava e doía bastante. Estranhamente, eu ainda conseguia usar estes earbuds, porque o esquerdo agora estava bem mais curto do que o direito.

Eu fico envergonhado de admitir o que demorou até domingo para suspeitar, o que agora parece ser óbvio: a parte que estava faltando do meu headphone estava alojada no meu canal auditivo, por isso a “dor de ouvido”. Duh.

Em minha defesa, eu não podia acreditar que estava no meu ouvido porque eu conseguia ouvir bem. E eu não estava com tanta dor, pelo menos não o tempo todo. Eu perguntei ao meu “diário” (também conhecido como centenas de amigos no Facebook) se isso era possível: Eu poderia ter um pedaço de plástico alojado no meu ouvido e não perceber? Amigos e parentes unanimemente sugeriram que eu procurasse um médico. Um amigo disse que ele estava quase surdo de um ouvido, por não ter cuidado de uma lesão de ouvido cedo o suficiente.

Com isso em mente, eu peguei comida, água, e um livro bem longo, e relutantemente fui até à sala de emergência em uma segunda feira à noite. A enfermeira de plantão viu a ponta do earbud presa em meu canal auditivo esquerdo. Conseguir resolver o problema era uma questão totalmente diferente. Três vezes ela tentou puxar com pinças, causando uma quantidade considerável de desconforto. Três vezes ela falhou, antes que me mandassem de volta para casa com um bilhete sugerindo que eu procurasse um otorrinolaringologista (especialista em orelha, nariz e garganta) assim que possível.

E lá fui eu para a clínica esta manhã – tremendo bastante, depois do que passei na noite anterior. Entretanto, eu estava em excelentes mãos. O otologista chefe da clínica, Neil M. Sperling, M.D., me garantiu que eu não tinha nada com que me preocupar. (E descobri que nós dois tínhamos algo em comum: ambos tínhamos aparecido no programa Sound Check da WNYC – ele para discutir prevenção de perda auditiva, e eu para discutir aplicativos de música.)

Depois de tirar uma foto da ponta do earbud presa no meu canal auditivo, que você pode ver abaixo, se tiver coragem, ele chamou outro médico para retirá-la. A extração durou um total de três segundos e foi totalmente indolor. Vitória!

De acordo com Dr. Sperling, que também usa earbuds da Etymotic e recomenda os protetores auditivos intra-auriculares deles, ele vê muitos casos como os meu. Na verdade, três de meus amigos passaram por isso também. Não é nem de perto tão incomum quanto eu imaginava.

“Earbuds, aparelhos auditivos, e qualquer coisa com uma ponta de borracha” pode soltar e ficar no ouvido, segundo ele, e precisar de intervenção médica. Sperling também disse que o calor e a umidade dentro do ouvido podem desgastar a borracha mais rápido do que imaginamos, então nós deveríamos trocar as pontas de borracha em nossos earbuds intra-auriculares com mais frequência do que a maioria de nós provavelmente faz. Isso deve ajudar a garantir que as pontas não deixem partes delas mesmas em nossas orelhas.

Valeu, mas eu vou passar. Eu estou agora em busca de um headphone over-the-ear legal – do tipo que você não precisa se preocupar se vai quebrar e te obrigar a passar por uma sessão de tortura na sala de emergência.

Sobre aquela foto, que o Dr. Sperling foi gentil o suficiente de passar para o meu pen drive mais cedo. Aqui está, mas fica o aviso que não é para quem fica com nojinho fácil: ear-foreign-body.jpg.

Para os outros, eis aqui uma foto do culpado depois da extração:

Evolver.fm observa, acompanha e analisa o mundo dos aplicativos de música, acreditando que eles são cruciais para a experimentação humana com música e como essa experiência está evoluindo.

Imagem: Bork / Shutterstock