O impacto climático de voar não é apenas ruim pelas emissões de carbono. Os rastros que os aviões criam também influenciam na temperatura de nossa atmosfera — e um novo estudo mostra que este impacto deve crescer em grande escala.

Conforme os aviões cruzam os trechos superiores da troposfera, eles também deixam rastros de vapor de água que podem formar nuvens cirrus. A maior parte dessas nuvens se dissipam rapidamente, mas sob as condições certas, elas podem durar horas, e quando isso acontece, elas aquecem a atmosfera absorvendo a radiação térmica emitida pela Terra.

Os cientistas sabem sobre o efeito estufa das nuvens cirrus há anos — na verdade, existe todo um nicho de pesquisa dedicado a ela. E este ramo de pesquisa é bem importante: globalmente, estima-se que o aquecimento atmosférico associado a essas nuvens seja maior do que o causado pelas emissões de carbono da aviação. Esse fato surpreendente tem feito com que alguns cientistas curiosos tentem entender se o efeito irá crescer à medida que os céus continuarem a ter mais tráfego no futuro.

Agora, uma dupla de pesquisadores do Centro Aeroespacial Alemão (DLR, na sigla em inglês) tentou responder a essa pergunta. Utilizando um modelo climático previamente desenvolvido que inclui nuvens de fumaça e um banco de dados de emissões de aviação desenvolvido pelo Departamento de Transportes dos EUA (que projeta o tráfego aéreo até meados do século), os autores analisaram como o efeito de aquecimento atmosférico dos rastros será alterado. Suas descobertas, publicadas nesta quinta-feira (27) na revista Atmospheric Chemistry and Physics, mostram que em 2050, o aquecimento induzido pela trilha de condensação pode ser três vezes maior que em 2006. Na verdade, esse tipo de aquecimento provavelmente superará o aquecimento da emissão de dióxido de carbono, graças a melhorias simultâneas na eficiência de combustível.

A autora sênior do estudo, Ulrike Burkhardt, do DLR não ficou muito surpresa com os resultados, observando que o tráfego aéreo em si está projetado para quadruplicar no mesmo período. “É incrível como o tráfego aéreo está aumentando”, disse Burkhardt ao Gizmodo. Ela acrescentou que o aumento esperado no aquecimento da trilha de condensação também é, em parte, causado pelos aviões modernos que voam numa altura um pouco maior que seus antecessores, o que provavelmente levará a mais formação de nuvens de condensação nos trópicos.

Agora, este efeito não é de forma alguma uma catástrofe planetária. Os modelos dos autores indicam que as nuvens cirrus contribuirão com cerca de 160 miliwatts de “forçante radioativo” adicional — energia extra fluindo de volta para a superfície da Terra — em meados do século. Ethan Coffel, um cientista atmosférico do Dartmouth College e que não esteve envolvido no estudo, observou que, para comparação, sob o cenário de mudança climática, o aquecimento das emissões de gases de efeito estufa será de cerca de 6.000 miliwatts por metro quadrado até o final do século.

“Então, embora a causa de trilha de condensação forçada seja significante, ela tem um contribuição relativamente pequena para o aquecimento”, disse Coffel ao Gizmodo por e-mail.

O efeito de aquecimento das nuvens cirrus é também de curta duração, e porque ocorre na alta atmosfera, não está claro o quanto isso realmente faz diferença para as temperaturas na superfície da Terra, algo que Burkhardt chamou de “tópico de pesquisa em aberto”. Mesmo assim, é importante entender, até porque há maneiras óbvias de mitigar.

Apertar os controles de poluição para reduzir o número de partículas de fuligem lançadas pelos aviões ajudaria a diminuir a quantidade de condensação de vapor de água em seu rastro. No entanto, a fuligem teria que diminuir muito para ter um efeito significativo — mesmo que tenha sido reduzida em 90%, os modelos dos autores mostram que as nuvens cirrus produzirão mais aquecimento em 2050 do que em 2006. Em última análise, a melhor opção para reduzir este efeito e a pegada de carbono é voar menos.

Como uma nota final para evitar que alguém planeje desvalorizar este estudo: os rastros de avião não fazem parte de uma conspiração secreta do governo para controlar seu comportamento ou o clima, ou para esterilizar a população. Nunca foram. E sim, há pesquisas para comprovar isso.