Se, como no meu caso, sua namorada pensa que você é doente por chegar o e-mail e redes sociais o tempo todo, pode ser que ela esteja certa. Um novo estudo indica que ficar conferindo mensagens em celulares e computadores é mais viciante do que álcool e cigarros.

Uma equipe da Booth Business School, da Universidade de Chicago, fez um estudo com 205 pessoas, entre 18 e 85 anos, para analisar suas vontades, diz o Guardian. Basicamente, os participantes tinham que anotar em intervalos regulares o que eles mais queriam fazer em tal momento durante uma semana. Coletando milhares de resultados, a equipe foi capaz de criar uma lista das coisas que mais instigavam o grupo.

Os resultados? Felizmente, todos nós temos algum senso. No topo de vontades estão dormir e tempo livre para lazer. Ótimo. No entanto, tuitar, chegar e-mails e ver redes sociais estão acima de coisas como beber e fumar. Infelizmente, até mesmo trabalhar foi lembrado com mais frequência do que tomar uma cerveja. Ao Guardian, Wilhelm Hofmann, o pesquisador-chefe, disse:

“Os desejos por sistemas de mídia e comunicação são comparativamente mais difíceis de resistir por causa de sua facilidade de acesso e também porque há a sensação de que ‘não custa muito’ interagir com tais atividades, mesmo que alguém queira resistir.

Com cigarros e álcool há um custo maior — a longo prazo e também financeiro — e o momento pode não ser sempre o apropriado. Assim, mesmo que o tempo gasto em redes sociais claramente traga menos consequências, a frequência de uso pode ‘roubar’ muito tempo das pessoas”.

A equipe também analisou como as pessoas reagem em relação a seus desejos, e curiosamente a força de vontade das pessoas diminui com o passar dos dias, especialmente quando o assunto era trabalho ou consertar a internet, por exemplo. No entanto, as pessoas também são bem boas em resistir aos seus ímpetos sexuais. Que isso, galera? [The Guardian; Imagem: Egan Snow]