O Carnaval carioca já foi usado diversas vezes para testar novas tecnologias de TV. Desde 2010, a Globo o transmite em HD 3D; ano passado, o evento foi gravado em resolução 4K; e este ano, é a vez de gravá-lo em resolução 8K – com dezesseis vezes a quantidade de pixels presente no Full-HD.

A resolução 8K, também conhecida como Super Hi-Vision, usa imagens de 7680 x 4320 pixels (33,2 megapixels). A ideia é aumentar a imersão em telas grandes, e já existem protótipos de TV com essa resolução – que são incríveis mesmo quando vistas de perto. Este é o futuro do futuro da sua TV – sim, pois ainda temos que passar pelo 4K.

A Globo fará testes da tecnologia 8K em parceria com a emissora japonesa NHK. Liliana Nakonechnyj, da TV Globo, diz ao G1 que “nós daremos apoio e vamos aprendendo junto com eles”. Vale lembrar que o Carnaval não deve ser transmitido pela Globo em 8K – ele será gravado nessa resolução.

Quem tem mais a ganhar com o teste é a NHK: o Carnaval é uma ótima oportunidade de capturar imagens com muitas cores e detalhes, ideais para demonstrar novas tecnologias de imagem. Elas costumam ser usadas em feiras de tecnologia, como a CES e a National Association of Broadcasters (NAB), que ocorre em abril.

E a NHK está bastante interessada no 8K: foram eles que testaram a transmissão em Super Hi-Vision pela primeira vez, e que propuseram o padrão eleito internacionalmente para TVs 8K. O Japão deve transmitir TV nessa resolução já a partir de 2016. (Enquanto isso, ainda estamos levando a resolução 720p para cidades do interior – por enquanto, o 8K está em um futuro distante para nós.)

Para realizar as gravações em 8K, a NHK enviará 17 engenheiros e seis toneladas de equipamentos ao Sambódromo do Rio, e trará duas câmeras especiais para tanto. As equipes terão acesso às imagens através de uma TV com 85″ vinda do Japão, ainda não disponível no mercado, que será conectada aos equipamentos usando uma gambiarra com 16 cabos HD. Após o carnaval, a NHK também vai gravar imagens do Rio de Janeiro em 8K.

Além da resolução, os vídeos terão outro destaque: a qualidade do som. Para registrá-los, serão usados equipamentos que capturam 22.2 canais de áudio. Liliana Nakonechnyj, da TV Globo, diz que “você pode ouvir o som como se estivesse na avenida” dos desfiles.

Como você deve ter notado, tudo isso é uma preparação para uma tecnologia que demorará anos até chegar à sua sala de estar. Por exemplo, TVs 4K já estão disponíveis no Brasil, mas custam a partir de R$45.000 – dá para comprar um carro com esse dinheiro. Até que elas fiquem mais acessíveis, e até que cheguem TVs 8K, e até que estas fiquem mais acessíveis, vai demorar um pouquinho. [G1 via Tecnoblog]