Quando o iPad foi anunciado, nós reclamamos sobre as coisas que estragam o tablet da Apple. Dentre elas: ele não tem suporte a Flash, não tem câmera, não tem porta USB, não é widescreen e não tem multitarefa para apps de terceiros. O JooJoo é um tablet com touchscreen multitoque, assim como o iPad, e não tem nenhum desses problemas. Só que, pelo review feito pelo Engadget, ele está (bem) longe de superar o iPad.

O JooJoo, como notamos antes, tem processador Intel Atom N270 de 1,6GHz, chip gráfico Nvidia Ion, 1GB de RAM e só 4GB de espaço no drive SSD — com exceção do Ion, é um netbook de primeira geração. Ele acessa a internet via Wi-Fi b/g (nada de wireless-N) e tem Bluetooth também.

        

Segundo o Paul Miller, do Engadget, por fora o JooJoo é lindo: touchscreen capacitiva de 12 polegadas, design minimalista à la Apple, parte de trás feita de alumínio escovado em cor champanhe, e com uma pegada boa. Só não dá para usá-lo com uma só mão: o formato widescreen e o peso (1,1kg, contra 670g do iPad) tornam o JooJoo mais adequado para se usar no colo.

A touchscreen multitoque tem resolução 1366×768 e responde com agilidade ao toque. Você pode usar o JooJoo na vertical ou na horizontal, mas o Paul encontrou problemas ao girar o aparelho: o acelerômetro às vezes parece não responder, algo que será corrigido pela fabricante com uma atualização de software.

O JooJoo ainda tem alto-falantes na parte de trás, microfone e entrada para fone de ouvido, além de uma câmera de vídeo para videoconferência e uma porta USB. Toma essa, iPad! Só que ele não permite que você carregue música, fotos ou vídeo via USB — ele só serve para navegar na web, nem apps ele tem — e a câmera, quando testada, não funcionou no videochat. E, como ele é feito apenas para navegar na web, não existe o problema da multitarefa, como no iPad — mas só porque não existe multitarefa: você só tem um programa para rodar neste tablet, o navegador.

Ah, mas pelo menos navegar na web é bem melhor, porque o JooJoo foi feito só para isso e porque ele tem Flash! …não é o caso. O navegador é baseado em Webkit, assim como o Google Chrome e o Safari, e renderiza direito as páginas. A interface é bonita (como já tínhamos visto), com ícones grandes que servem como links para sites populares, agrupados em diferentes categorias. E, com mais de uma página aberta, você visualiza as páginas de forma vagamente semelhante ao Cover Flow do iPod Touch, "varrendo" entre as páginas abertas para navegar de uma a outra, e deslizando páginas para cima para fechá-las.

Mas a interface não é muito intuitiva: por exemplo, se você quiser visitar um site que não esteja na lista, precisa abrir um link qualquer e digitar o endereço — você pode criar favoritos no navegador, mas não links na área de trabalho. O Paul também encontrou problemas em sites como Facebook e Twitter, porque o JooJoo faz logoff dos serviços quando você fecha o navegador. Aliás, fechar páginas é um problema também: você precisa deslizar a página para cima para fechá-las, mas aparentemente isso só funciona quando quer. O teclado virtual também é um problema.

E o Flash é uma decepção, por um motivo: apesar do chip gráfico Nvidia Ion, a versão do Flash que acompanha o JooJoo não tem aceleração por hardware. Ou seja, vídeos em tela cheia ficam pulando, e vídeos em HD viram slideshows. (Uma atualização futura de software pode resolver isto.) E, claro, a duração da bateria cai bastante quando se usa o Flash. No YouTube, você tem a opção de assistir o YouTube em Flash ou no modo JooJoo, que baixa o vídeo em MPEG e o reproduz no tablet. Tipo HTML5, só que não é. Veja como funciona no vídeo acima.

 

No fim, o JooJoo preenche algumas lacunas do iPad, mas as preenche mal e faz todo o resto errado.

O JooJoo, antes chamado CrunchPad, foi alvo de uma polêmica entre a fabricante, Fusion Garage, e o criador do tablet, Mike Arrington do blog TechCrunch. A briga levou a um processo judicial, mas a Fusion Garage entrou com pedido para que o processo seja arquivado — o que ainda está para ser decidido —, já colocou o JooJoo em pré-venda e deve lançá-lo em alguns dias. A ideia inicial era vendê-lo a no máximo 300 dólares. Mas ele custa 499 dólares, mesmo preço do iPad mais barato. E o iPad tem um grande diferencial: os apps. Com este concorrente, o JooJoo pode ter nascido morto. Pelo menos, concorrência para o iPad não falta.

Abaixo segue um vídeo deles mostrando o JooJoo em funcionamento, e o review completo está no Engadget. [JooJoo via Engadget via Marcelo Eduardo; primeira imagem via Engadget]