Grande parte dos smartphones e tablets da Samsung – e todos da Sony – usam o sistema operacional do Google. Mas, em breve, as duas empresas terão outras alternativas em sua linha de produtos.

A Sony anunciou na MWC que está interessada no desenvolvimento do Firefox OS, enquanto a Samsung continua a investir no Tizen, fundindo seu próprio Bada OS no sucessor do MeeGo.

O Tizen é um sistema open-source baseado em Linux apoiado pela Samsung, Intel e pela Linux Foundation. A Samsung se comprometeu a lançar mais de um dispositivo com Tizen ainda este ano.

A Tizen realizou um evento onde a imprensa pôde testar uma versão ainda em desenvolvimento do sistema operacional. O The Verge destacou a semelhança com versões antigas do Android, e o Engadget notou muita familiaridade com outros sistemas operacionais já lançados. Ambos destacam que o sistema parece rápido – ele roda apps nativos e em HTML5 – mas falta algo que o destaque, que o deixe único.

Enquanto isso, a Sony tornou-se a quinta fabricante a apoiar o Firefox OS — antes dela, ZTE, Alcatel, LG e Huawei já haviam anunciado que lançariam aparelhos com o sistema. Segundo o The Next Web, “parece que a companhia está mais focada em crescer em número de usuários em mercados emergentes”. Como a Sony não vende dumbphones, esta parece ser uma alternativa interessante para chegar a preços mais baixos -dispositivos com Firefox OS devem custar cerca de US$ 100.

Dois dias depois de fazer o anúncio, a companhia já liberou uma ROM experimental do sistema da Mozilla para o Xperia E, seu Android com dois chips que deve chegar ao Brasil nos próximos meses. Você pode conferir a ROM em ação no vídeo abaixo. O sistema parece estar no mesmo estágio que há um mês, quando o testamos na Campus Party.

O plano da Sony é lançar um aparelho com o sistema da raposa em 2014. A Samsung, por sua vez, não deve aderir ao Firefox OS.

Apesar do sucesso do Android, muitas fabricantes ainda sofrem para conseguir participação no mercado (ou nos lucros). Outras, como a Samsung, parecem sentir a necessidade de diversificar – eles também lançam Windows Phones, por exemplo (mesmo que sem muito entusiasmo).

O que isso significa? Já sabíamos que logo viriam muito mais alternativas em smartphones – como Ubuntu ou Sailfish – mas podemos esperar que até mesmo as grandes fabricantes apostem nos novos sistemas operacionais. Mais variedade sempre é bom? Veremos ao longo do ano.