O sonho do Dreamliner

Nós estivemos acompanhando o progresso do Boeing 787 Dreamliner por um looooooooongo tempo, por isso estamos emocionados de finalmente poder dizer que ele — ei, espera aí, o que é aquela asa caindo aos pedaços ali?

Semana passada o Seattle Times relatou que o dano observado no Dreamliner durante um teste em solo aconteceu bem no final do teste. Mais especificamente:

Assim que passamos da "carga máxima". Esta é a definição que se dá para um volume 50% maior que o limite de carga em serviço, e é o objetivo da Federal Aviation Administration passar nesse teste.

Isso não seria nenhum problema, exceto que eles erraram um pouco na matéria e o dano ocorreu, na verdade, "bem abaixo da quantidade de carga que as asas devem aguentar para serem ceritificadas para o transporte de passageiros". Opa.

As falhas estruturais são descritas como:

Esforços nos finais das grandes hastes que enrijecem os paineis da asa superior causaram a delaminação das camadas fibrosas do material plástico composto.

Estas longas hastes levam até as juntas das asas com a fuselagem principal do corpo da aeronave, para onde o excesso de carga é transferido — mas quem se importa com o modo como tudo se encaixa? Delaminar significa "se dividir em finas camadas"! Não sei porquê, mas não fiquei mais tranquilo ao ser assegurado que a delaminação da pele da asa "não tem muita possibilidade de levar a uma falha catastrófica do avião". Ainda bem que eles estão mudando o design para corrigir isso. Frente a um problema desses, mais um atraso num avião que deveria ter saído há dois anos é a menor das procupações. [Seattle Times]