Como se seu smartphone rastrear suas viagens, navegação na web, histórico de namoro, mudanças de emprego, hábitos alimentares, compra e consumo de conteúdo não fosse o suficiente, vem mais por aí. Em breve, o pequeno aparelho que fica nos nossos bolsos poderá ser capaz de nos dizer quando estamos bêbados ao perceber que estamos com dificuldade para ficar em pé.

Um grupo de pesquisadores de Stanford e da Universidade de Pittsburgh acaba de publicar um estudo preliminar no Journal of Studies on Alcohol and Drugs que usou um pequeno grupo de participantes para mostrar que a intoxicação por álcool provavelmente pode ser detectada pelo acelerômetro que vem como padrão na maioria dos smartphones modernos.

Em pesquisas anteriores, a equipe descobriu que 50% dos participantes não percebem que suas funções são prejudicadas quando estão bêbados, e a esperança é que este projeto mais recente possa levar a uma detecção precoce.

O estudo foi relativamente simples: 22 voluntários receberam uma dose individual de vodca formulada para atingir uma concentração de álcool no sangue de 0,2% — um limite que excede o nível de alcoolemia de 0,08%, que é o limite legal nos EUA para operar um veículo motorizado. Um smartphone equipado com um acelerômetro de 3 eixos com sensor de movimento foi preso à parte inferior das costas dos voluntários, e um aplicativo chamado Phyphox foi usado para monitorar os dados do acelerômetro.

Os participantes primeiro caminharam em um padrão de 10 passos para frente e para trás enquanto sóbrios para dados de controle. Durante as 7 horas seguintes, os voluntários caminharam no mesmo padrão a cada hora e tiveram um teste de bafômetro administrado para monitorar o nível de intoxicação.

Os pesquisadores descobriram que o acelerômetro foi capaz de identificar a intoxicação pelas mudanças na forma de andar dos usuários com uma precisão estatística de cerca de 90%.

Embora os pesquisadores achem os resultados promissores, eles enfatizaram no artigo que muitos outros testes seriam necessários. Além da amostra pequena de pessoas, os cientistas identificaram o posicionamento consistente do smartphone no corpo da pessoa como um ponto fraco do experimento e querem testar um posicionamento mais natural em estudos futuros.

A pesquisa também dá seguimento a pelo menos três estudos semelhantes conduzidos nos últimos oito anos, que usaram condições diferentes em grupos de voluntários com tamanho variando de três a 34 participantes. Esses estudos também encontraram fortes indícios (56%-89% de precisão) de que um acelerômetro pode identificar dificuldade para caminhar quando um usuário está bêbado.

Pelo lado positivo, os cientistas afirmam que seu trabalho “poderia oferecer oportunidades para desencadear intervenções pontuais destinadas a melhorar a prevenção e o tratamento de transtornos por uso de álcool”. Mas o pesquisador principal Brian Suffoletto reconheceu em uma entrevista à New Scientist que as informações do acelerômetro podem ser tentadoras para terceiros que atuam no negócio de coleta de dados.

“Se alguém quisesse fazer um esforço para processar essas informações e analisá-las, provavelmente poderia fazer inferências sobre as mudanças nos padrões de caminhada”, disse Suffoletto. Mas ele disse que seria “um avanço” presumir que um usuário está bêbado apenas com base na maneira como anda.

Pode ser também um avanço com consequências jurídicas. Pelo menos no estado atual da tecnologia, ninguém deve esperar que as autoridades comecem a enviar multas por dirigir embriagado depois que um acelerômetro detectar sua forma esquisita de caminhar pelo estacionamento.

No entanto, anunciantes e hackers adoram fazer inferências sobre dados. Qual é o problema de inferir que um usuário pode estar bêbado ao decidir por meio de algoritmos se exibirá alguns anúncios de jogos de azar online ou pornografia?

Talvez o usuário esteja apenas se sentindo com sorte ou excitado, de qualquer maneira. Talvez um anunciante ganhe muito dinheiro ao ter como alvo alguém bêbado para fazer uma segunda hipoteca de sua casa. E hackers patrocinados por governos adorariam coletar dados sobre o consumo de álcool de todos os tipos de alvos públicos e privados.

Enquanto esses pesquisadores estão refinando a precisão desse tipo de monitoramento de smartphone, certamente existem malfeitores por aí que já estão testando este tipo de tecnologia.