A Swatch, fabricante daqueles relógios baratinhos, planeja lançar um smartwatch nos próximos três meses. O aparelho se conectará à internet e vai dispensar recargas da bateria — o que parece ser uma excelente ideia. O novo relógio será lançado mais ou menos na mesma época que o aguardado Apple Watch, que, segundo informações preliminares, poderia ter um bateria de duração catastroficamente terrível.

A Swatch confirmou seus planos num e-mail para o Gizmodo US, mas detalhes sobre o design ou as funções do relógio ainda são mínimos. Por enquanto, só se sabe que o relógio será capaz de se conectar à internet sem precisar de recargas da bateria e que vai ser compatível com os celulares Android e Windows. O Mashable especula que o relógio não teria NFC, apenas Bluetooth LE, e poderia vir com um app de pagamento embutido.

Ainda não está claro, porém, como o relógio será capaz de se conectar à internet sem recarregar a bateria. Eu ficaria muito surpreso ao ver um relógio de corda automática como o Sistem51 que a Swatch lançou no ano passado fazendo isso. Parece mais provável que o próximo aparelho de pulso seja alimentado por uma bateria de relógio que consegue funcionar por um longo período de tempo antes de ser substituída. (Para ser claro: O que está na foto acima é um Sistem51, não o novo relógio.)

Até mesmo o melhor smartwatch lançado até agora tem o grave defeito de precisar ser ligado na tomada a cada dois dias. E, se os rumores sobre o Apple Watch estão corretos, ele pode precisar de uma carga a cada poucas horas. Um relógio que precisa ser carregado constantemente, em última análise, não é útil, porque eventualmente você vai olhar para ele para ver que horas são e ele estará… desligado.

É por isso que as notícias sobre este novo Swatch são muito animadoras — é um smartwatch que não precisa ir para a tomada! Isso é bem legal. Depois de ver tantos relógios inteligentes que são basicamente computadores que também mostram as horas, eu não me importaria de ver algo com um pouco mais do que um relógio comum — e que acaba fazendo algumas coisas de computador, também. [Bloomberg]