O Google Maps informa rotas de transporte público em poucas cidades do Brasil, entre elas São Paulo, Belo Horizonte e Rio de Janeiro. Mas usuários começaram a reparar desde janeiro que o serviço não funcionava mais no Rio. Hoje ele está de volta, e o Google explica por que ele sumiu. A empresa também esclarece como entram as rotas de ônibus, trem e metrô nos mapas do Google – e quem é responsável por isso.

Primeiro, as rotas de transporte público no Rio: elas já voltaram ao ar. A assessoria do Google informa que as agências de transporte da cidade recentemente atualizaram suas informações, então provavelmente as rotas no Maps foram desativadas para receber os novos dados. Isto inclui: “as informações das linhas de ônibus (Fetranspor), metrô (Metro Rio), trens urbanos (Supervia) e barcas (Barcas S.A.) mais atuais”. Tudo isso já está disponível no Google Maps de novo.

Também perguntamos à assessoria como funciona a obtenção de rotas de ônibus, trem e metrô. Eles explicam:

Basicamente as agências de transporte, departamentos públicos de transportes etc. fazem todo o processo através deste site: http://maps.google.com/help/maps/transit/partners/participate.html

No item “Process” todo o processo é explicado, mas de forma resumida, a agência precisa formatar seus dados de acordo com o protocolo GTFS (General Transit Feed Specification), testar os feeds usando uma ferramenta para tal, assinar um contrato online de parceria com o Google, submeter os feeds gerados para validação pelo Google e depois de estar tudo OK, o serviço é lançado.

Para expor as informações no Google Maps e outros serviços/aplicativos, o Google “busca” as informações periodicamente em um servidor da agência com endereço fixo da web, como por exemplo: http://myserver.agency.com/current/google_transit.zip. Todas as modificações e atualizações são colocadas ali pela agência, seguindo as regras definidas no site acima apresentado.

A assessoria esclarece que a iniciativa de disponibilizar os dados no Google vem das próprias agências de transporte, não do Google. Então se sua cidade não tem o serviço, já sabe de quem cobrar: das empresas locais de transporte público.

Eles também deixam claro que as agências de transporte não cobram dinheiro (nem são cobradas) para exibir as rotas de ônibus e afins: “trata-se de um modelo de parceria entre o Google e as empresas de trânsito para disponibilizar a informação publicamente para o usuário”. Bom saber. [Valeu, Edmilson!]

Nota: a lista oficial do Google das cidades com rotas de transporte público no Maps inclui apenas São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte. No entanto, outras cidades também possuem o serviço, como Goiânia e Blumenau (SC). Atualizamos o início do texto para refletir isso.