Nós andamos bem céticos com os rumores de uma TV da Apple, mesmo sabendo que ele pode fazer sentido. Mas de acordo com a biografia de Steve Jobs, pode ser que nós tenhamos errado nessa.

O Washington Post publicou este trecho sobre a atitude de Jobs em relação a uma TV da Apple:

“Ele queria muito fazer para a televisão o que ele fez para os computadores, mp3 players, e celulares: deixá-la simples e elegante”, escreve Isaacson.

Isaacson continua: “‘Eu queria criar um set de televisão integrado que fosse completamente fácil de usar’, ele me disse. ‘Ela seria sincronizada sem dificuldades com todos os aparelhos e com o iCloud.’ Os usuários não teriam mais que lidar com controles remotos complexos para DVD players e TV a cabo. ‘Ela teria a interface mais simples que você pode imaginar.'”

Isso não vai apenas contra os últimos anos de visão geral do interesse da Apple sobre TVs. Vai contra o que o próprio Jobs disse no ano passado ao eliminar os rumores do interesse da Apple em televisores, dizendo que não havia mercado para isso. Era algo insustentável. A empresa tem a Apple TV, que é um “hobby”, e isso é o bastante. Ou será que não?

A questão agora é: o que Jobs quis dizer exatamente? Um televisor da Apple que o liberte de certa forma dos monopólios localizados das TVs a cabo? Se alguém era capaz de fazer os contratos necessários para isso, esse alguém era Jobs. E se existe uma empresa que nos últimos tempos se provou capaz de chacoalhar mercado estabilizados e pouco produtivos, essa empresa é a Apple. De resto, só podemos esperar.

Então da próxima vez que Tim Cook disser que está bem empolgado com o que vem por aí para Apple — e ele diz isso todo trimestre — pensemos que talvez ele não esteja falando apenas de iPad 3 ou iPhone 5. Ele pode estar falando da ideia da Apple de assaltar a salar de estar do mesmo jeito que invadiu bolsos e outras telas. Será que a TV da Apple verá a luz do dia? Talvez sim, talvez não. Mas, pelo menos agora, eu acredito mais na possibilidade. [Washington Post]