Como muitos americanos que lutam para manter seus salários em uma economia incerta, o CEO do Google, Sundar Pichai, anunciou na noite desta terça-feira (3) que está fazendo o que muitos de cidadãos também têm feito: arranjar um segundo emprego.

A diferença aqui é que Pichai terá dois cargos de CEO, assumindo a chefia da Alphabet, a empresa controladora do Google. Então, ele será provavelmente seu próprio chefe direto e deve apresentar relatórios para si mesmo.

Como diretores e cofundadores da empresa, Larry Page e Sergey Brin escreveram em um blog post que “nós nunca fomos os que mantiveram as funções de gerenciamento quando pensamos que há uma maneira melhor de administrar a empresa. E a Alphabet e o Google não precisam mais de dois CEOs e um presidente. No futuro, Sundar será o CEO do Google e da Alphabet”.

No momento, não está claro se Sundar terá um salário para as duas funções, embora, como CEO da Alphabet, ele possa sentir que o CEO do Google deve ganhar um pouco mais — aliás, Page, que atuou como CEO da Alphabet até o momento e tem um patrimônio estimado em US$ 59 bilhões, ganha US$ 1 por ano. Aqui vai parte do pronunciamento dos dois cofundadores do Google:

Hoje, em 2019, se a empresa fosse uma pessoa, seria um jovem adulto de 21 anos e seria hora de deixar a casa dos pais. Embora tenha sido um tremendo privilégio estar profundamente envolvido com o gerenciamento do dia a dia da companhia por tanto tempo, acreditamos que é tempo de assumir o papel de pais orgulhosos — oferecendo conselhos e amor, mas não incomodando diariamente!

Com o Google passando por uma agitação trabalhista e pelo escrutínio que grandes empresas de tecnologia tem sofrido de legisladores e jornalistas chatos, parece que Brin e Page— como muitas pessoas chegando à meia-idade — encontraram uma forma bacana de dizer que eles ganharam dinheiro pra caramba, que o trabalho é uma dor de cabeça e que vão fazer disso o problema de outra pessoa.