O governo vem se esforçando para popularizar os tablets no Brasil, e decretou medida provisória que dá incentivos fiscais para quem produz tablets no Brasil: isenção de PIS e Cofins e desconto de 80% no IPI e ICMS. Agora, tablets como o Motorola Xoom e o myPad da Semp Toshiba estão mais baratos no varejo. Isso já é efeito dos incentivos, ou só da concorrência?

Segundo o Jornal da Tarde, o modelo 3G do Motorola Xoom – fabricado no Brasil – passou de R$2.299 para R$1.999; o modelo Wi-Fi de 32GB caiu de R$1.899 para R$1.599 em alguns pontos de venda. No entanto, desde o mês passado já se encontra o Xoom Wi-Fi por cerca de R$1.500, mesmo preço do Asus Eee Transformer e Acer Iconia A500 (ambos Wi-Fi de 16GB), tablets lançados em agosto e que não são fabricados no Brasil. (O Acer Iconia de 32GB custa R$1.699.)

O myPad da Semp Toshiba, com Android 2.2 em vez do Honeycomb, foi de R$1.399 para R$999 nas Lojas Americanas (só loja física). Em lojas online, ele custa até R$1.800! A Samsung, por sua vez, diz que já fabrica tablets com redução de impostos, mas não divulgou preços reduzidos para seus aparelhos.

O governo espera redução de até 30% no preço dos tablets made in Brazil, mas “as empresas estão incorporando os itens [dos tablets] ao processo produtivo agora”, como lembra Anderson Jorge, assessor da área de informática da Abinee (Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica). Por isso, a redução de preços pode levar “de seis a nove meses” para aparecer.

Ou seja, por enquanto, parece que a concorrência é que está baixando os preços, e não os incentivos: será apenas coincidência que tablets mais baratos cheguem ao mercado e, em algumas semanas, o preço dos tablets “nacionais” seja reduzido? Dar incentivos fiscais pode reduzir os preços mais para a frente – mas, por ora, a concorrência parece fazer este papel. [Jornal da Tarde]

Imagem por Engadget