Tem um novo tipo de tecnologia na área, e ela é chamada de mini-LED. Será que ela vai estar na sua próxima TV? Será que vai pintar também no seu smartphone? Por que, exatamente, é superior à tecnologia de display disponível atualmente? Aqui, explicaremos tudo o que você precisa saber sobre mini-LED.

OLED e LCD/LED: as tecnologias mais comuns do mercado

Primeiro, vamos falar sobe os dois tipos de tecnologia que estão sendo na maioria das TVs, computadores e monitores da atualidade: OLED e LCD. A tecnologia de tela usada nas TVs OLED (diodo orgânico emissor de luz) produz imagens excelentes com um contraste notável, porque eles têm pixels iluminados individualmente. Cada um pode ser ligado ou desligado independentemente dos outros, o que significa, em teoria, pretos mais pretos e brancos mais brancos.

Atualmente, a maioria das outras TVs no mercado utiliza algum tipo de tecnologia LCD (Liquid Crystal Display; display de cristal líquido). Isso vem com uma variedade de ajustes e modificações, mas o princípio geral é o mesmo: esses monitores possuem pixels acesos por trás ou pelas bordas da tela.

Essas abordagem “tudo em um” não é boa para pretos ou contrastes na imagem, e é por isso que, nos últimos tempos, as telas LCD começaram a usar o escurecimento local: em aparelhos de TV compatíveis com o recurso, o escurecimento pode ser controlado em vários grupos ou zonas da cena para obter uma imagem que melhor se aproxima de uma OLED. Mesmo assim, você ainda verá cinzas em vez de pretos ou uma auréola de luz em torno dos pontos brilhantes.

Mini-LED

As TVs de LCD modernas geralmente usam LEDs (diodos emissores de luz) como luz de fundo, e é por isso que às vezes são rotuladas como TVs de LED ou LCD, o que é muito confuso. Quando falamos de mini-LED, trata-se essencialmente de uma atualização da tecnologia LCD: ela torna essas zonas de luz de fundo muito menores, o que significa que a luz dos painéis de LCD pode ser muito mais precisa.

Como a tecnologia mini-LED funciona. Crédito: TCLComo a tecnologia mini-LED funciona. Crédito: TCL

Com cerca de 200 mícrons de 0,008 polegadas de diâmetro, esses mini-LEDs têm cerca de um quinto do tamanho dos LEDs padrão atualmente em uso nos painéis LCD — e isso significa que milhares e milhares deles podem ser empacotados em uma tela, em vez de dezenas ou as centenas que ficam dentro de painéis LEDs da atualidade.

Mini-LED oferece um brilho melhor que telas OLED, além de um excelente desempenho de contraste e cores (porque há muito mais LEDs fornecendo a luz de fundo), sem o mesmo custo. O OLED ainda tem a vantagem em termos de qualidade geral, mas a diferença está diminuindo — e talvez não valha mais o preço.

Porém, embora as TVs com mini-LED ainda não sejam comuns, a tecnologia está prestes a ter seu momento com o lançamento de alguns produtos, como a série 8, da TCL. No entanto algo ainda melhor está por vir na forma de telas micro-LED. Como você provavelmente pode adivinhar pelo nome, isso significa que os LEDs ficam ainda menores — ele efetivamente coloca o LCD-LED em pé de igualdade com o OLED, pois os pixels individuais podem ser ligados e desligados conforme necessários.

A presença do micro-LED não significa que o mini-LED esteja morto: o alto custo e a dificuldade de fabricar a tecnologia micro-LED no momento significa que o mini-LED deve passar alguns anos alimentando as luzes de fundo de TVs LED antes de ser substituído.

As tecnologias Mini-LED e micro-LED também estão chegando em dispositivos móveis. Uma vantagem da tecnologia mini-LED é que ela tem um consumo de energia relativamente baixo — e quando você usa a bateria, isso é muito mais importante do que quando você está lidando com uma televisão ligada a uma tomada. A MSI já anunciou um laptop de 17 polegadas mini-LED que começou a ser vendido nos EUA.

Rolaram alguns rumores de analistas dizendo que telas mini-LED chegariam ao iPad e ao MacBook Pro deste ano, mas até agora na confirmando, ainda mais pelo fato de as duas linhas de produto tenham recebido uma atualização recentemente e por estarmos em uma pandemia. Talvez tenhamos de esperar até 2021 para que um dispositivo Apple tenha mini-LED.

À medida que os processos de fabricação são simplificados, os avanços tecnológicos e os custos associados diminuem. Aí, devemos ver as tecnologias micro-LED e mini-LED aparecerem mais e mais em tablets e smartphones. Mas isso ainda está longe. Por enquanto, OLED e LCD (para modelos mais baratos) permanecem o padrão.

Pelo menos agora, quando vir algum anúncio em que falam de mini-LED, você saberá do que se trata. Lembre-se que as especificações são apenas parte da história, e o mini-LED não muda isso — os displays podem ser bons ou ruins, independentemente do que diz na caixa ou da tecnologia usada. Há muito mais que é exibido em uma tela além da luz de fundo e os pequenos ajustes de cada empresa podem fazer uma baita diferença. Portanto, adote a tecnologia, mas com uma boa dose de cautela