A Tesla está processando um de seus ex-funcionários por supostamente roubar informações da empresa e violar seu contrato, relata a CNBC.

De acordo com um processo aberto na sexta-feira, a Tesla afirma que o engenheiro de software Alex Khatilov silenciosamente pegou códigos de software e arquivos do sistema interno Warp Drive da empresa enquanto trabalhava na equipe de garantia de qualidade. A queixa diz que ele começou a trabalhar para a empresa em dezembro e, em poucos dias, começou a enviar “milhares de arquivos de software altamente confidenciais” para sua conta pessoal do Dropbox.

O Warp Drive da Tesla é um sistema back-end desenvolvido internamente para automatizar muitos de seus processos de negócios relacionados à produção e venda de carros. A empresa afirma que o material roubado pode revelar aos concorrentes “quais sistemas a Tesla acredita serem importantes e valiosos para automatizar e como automatizá-los — fornecendo um roteiro para copiar a inovação da companhia”, de acordo com o processo. O código em questão levou cerca de “200 homens-ano de trabalho” para ser desenvolvido, afirma Tesla.

Quando confrontado pelos investigadores da Tesla em 6 de janeiro, Khatilov afirmou que simplesmente “esqueceu” que havia transferido os arquivos para seu Dropbox pessoal. Em uma entrevista ao New York Post, ele se defendeu e disse que a coisa toda era um mal-entendido.

Khatilov disse que foi instruído a baixar os arquivos em seu computador porque trabalharia com eles como parte de seu trabalho com a equipe de garantia de qualidade da Tesla, que envolvia ajudar a automatizar tarefas relacionadas aos sistemas de Meio Ambiente, Saúde e Segurança da empresa. Ao tentar fazer uma cópia de backup de uma pasta que contém o cache de documentos internos, ele “sem querer” a moveu para seu Dropbox por engano.

“Eu não sabia que havia 26.000 arquivos ali”, disse ele ao jornal. Ele nem sabia que Tesla havia entrado com um processo contra ele e só descobriu quando o Post entrou em contato.

Honestamente, não é difícil de acreditar. A Tesla protege ferozmente seus dados proprietários e tem um histórico de ações judiciais sempre que percebe que seus segredos podem estar em risco. A Tesla acusou outro ex-funcionário, Guangzhi Cao, de roubar o código-fonte relacionado ao seu sistema Autopilot em 2018, e esse processo ainda está sendo resolvido no tribunal. A Tesla também processou a startup de direção autônoma Zoox em 2019 e a montadora elétrica Rivian em 2020 por supostamente fugir com segredos comerciais. Em abril passado, a Zoox fez um acordo por uma quantia não revelada e admitiu que “alguns de seus novos contratados da Tesla” estavam na posse de documentos internos da companhia.