O foguete da NASA que vai nos levar a Marte passou por mais um teste importante

Os propulsores do foguete SLS da NASA foram testados pela agência e o resultado foi positivo - assim, o foguete está mais próximo de nos levar a Marte.

Para tirar o foguete mais potente do mundo do chão, é preciso um impulso extremamente forte dos seus propulsores. E a NASA teve sucesso ao testar os propulsores preparados para isso ao ligá-los com potência total – e tudo isso sem tirá-lo do chão.

O propulsor de foguete pareceu funcionar como o esperado durante o teste. Para saber exatamente como foi o desempenho dele, obviamente, vamos precisar esperar os engenheiros desmontá-lo para fazer as observações necessárias. Mas as imagens mostram um teste que ocorreu praticamente sem falhas:

Dois desses propulsores vão ser colocados no foguete SLS da NASA quando ele fizer seu primeiro voo de teste em 2018. A NASA coloca suas esperanças de uma futura missão para Marte nesse foguete SLS – mas antes a agência precisa provar que o foguete está pronto para ser tirado do chão. Durante a preparação, a NASA vem testando peça por peça do foguete separadamente.

O motor foi testado em agosto do ano passado, mas os propulsores talvez sejam ainda mais importantes para um foguete grande como o SLS. Quando ele finalmente for lançado, mais de 75% da potência que ele precisará para sair da nossa atmosfera virá dos propulsores.

No teste recente, o propulsor queimou por dois minutos, a mesma quantidade de tempo que ele vai precisar rodar para fazer o foguete SLS subir do chão quando for colocado em ação.

Essa é a segunda vez que o propulsor do foguete é testado. A primeira foi em março e mostrou que ele podia não apenas rodar por dois minutos em potência total, como também conseguia fazer isso nas temperaturas mais altas que deve encarar durante o lançamento. O teste de hoje verificou o agente propulsor em suas temperaturas mais baixas – 4 graus Celsius. Apesar do agente propulsor permanecer razoavelmente frio, as temperaturas dentro do propulsor superaram os 3.000 graus Celsius durante o teste.

O teste foi adiado por um tempo enquanto a NASA solucionava um problema de computador no sistema, mas acabou acontecendo uma hora depois do agendado. E, rapaz, foi espetacular.

GIFs feitos pelo Gizmodo usando imagens da NASA

Sair da versão mobile