Em “Memoria”, Tilda Swinton vive com um som misterioso que não sabe explicar o que é

Filme estreia nesta quinta-feira (15) no Festival de Cannes, ainda sem data de lançamento no Brasil.

Memoria

O longa se passa na Colômbia, onde Swinton deve descobrir a causa para sua "síndrome sensorial misteriosa". Imagem: Neon

A Neon, distribuidora por trás do filme vencedor do Oscar Parasita, divulgou o trailer de Memoria, novo filme do aclamado cineasta tailandês Apichatpong Weerasethakul (Tio Boonmee, Que Pode Recordar Suas Vidas Passadas), que tem Tilda Swinton no papel principal.

No vídeo, vemos o trabalho sonoro ao retratar uma mulher que viaja pela América do Sul enquanto tenta resolver o mistério de sua “síndrome sensorial misteriosa”.

O longa é centrado em Jessica Holland (Tilda Swinton), uma escocesa em visita à Colômbia que está tentando encontrar a resposta para os sons que continua ouvindo em sua cabeça. Weerasethakul disse ao La Tempestad no ano passado que escreveu o papel com Swinton em mente e, durante o processo de filmagem, “foi ela quem me mostrou essa personagem”.

O trailer é bastante vago, mas cria um clima único fazendo bom uso do áudio, dando um ar de mistério. Além do cenário de sons e selvas, existem referências à trepanação, um procedimento cirúrgico em que é feito um orifício no crânio. O método era usado para aliviar a pressão, mas nos tempos antigos era realizado em pessoas (muitas vezes contra a própria vontade) para “deixar os espíritos malignos saírem”.

Em entrevista recente para o The Hollywood Reporter, Weerasethakul disse que se inspirou para escrever o filme enquanto estava viajando pela Colômbia e descobriu que estava desenvolvendo os sintomas da Síndrome da Cabeça Explosiva, uma condição médica em que as pessoas acordam com o som de uma explosão. A partir daí, Memoria se torna uma história (em inglês e espanhol) da protagonista se descobrindo, enquanto ela tenta encontrar respostas para sua condição. É físico, psicológico ou talvez algo sobrenatural?

“Tornou-se a história de uma mulher que está meio que vagando entre os lugares, e não sabemos muito sobre sua formação. Eu realmente não me importo com isso. Se você conhece meus filmes, é mais sobre o momento”, afirmou o diretor. “Em retrospecto, acho que todo o filme é sobre cura e é sobre encontrar a si mesmo. Ou apenas encontrar uma conexão com um lugar e seu povo, todas as diferentes camadas lá — e como você deve passar pelo processo de simulação e transformação interna. Espero que o filme se traduza assim. Desculpe, eu não posso explicar. Acho que mesmo depois de ver o filme, você realmente não sabe do que se trata. São apenas sentimentos”.

Memoria fará sua estreia no Festival de Cannes nesta semana. Por ora, nenhuma data de lançamento foi anunciada.

Sair da versão mobile