Você já deve conhecer o Tinder, app que sugere pessoas nas proximidades para você marcar um encontro. O Ministério da Saúde resolveu criar perfis falsos que queriam transar “de preferência sem camisinha”, para então exibir um alerta e conscientizar usuários. O Tinder não gostou muito disso.

O que acontecia: você deslizava um perfil para a direita, mostrando que estava interessado na pessoa. A conta falsa fazia o mesmo com o seu perfil, o que iniciava um bate-papo: “E aí, curte sexo sem camisinha?”. Você respondia e recebia automaticamente a resposta: “Olha, é difícil saber quem tem HIV. Se divirta, mas se proteja. Essa é uma ação do Ministério da Saúde”.

Tinder - acao do Ministerio da Saude

Rosette Pambakian, executiva de comunicação corporativa do Tinder, não gostou do projeto. Ela disse no Twitter: “nós vamos apagar os perfis, já que eles violam nossos termos de serviço. Vocês não estão autorizados a fazer propaganda no Tinder”. O tweet foi apagado.

O ministério diz à Folha que “os termos de uso do Tinder só falam de uso comercial, e a nossa campanha foi uma iniciativa de utilidade pública”. Além disso, os perfis falsos foram apagados há semanas. Em comunicado, eles explicam o projeto:

Para atingir o objetivo de dialogar com o maior número de pessoas, foram criados cinco perfis de personagens – sendo três homens e duas mulheres – que se identificavam como pessoas à procura de sexo sem camisinhas…

A ação contou com um projeto piloto nos dias 23 e 24 de janeiro em Brasília, sendo estendida para o Rio de Janeiro (30 e 31 de janeiro) e Salvador (31 de janeiro e 01 de fevereiro). Nessas ações foram realizadas mais de duas mil interações com o público-alvo. Os locais visitados foram bares, boates LGBT e shows.

O ministério ainda afirma que a iniciativa atingiu mais de 2.000 usuários, e que “a ação preserva a identidade dos participantes” – eles prometem não dizer ao mundo que você curte sexo inseguro.

Isso foi provavelmente inspirado pelo Tinder AIDS Project, uma campanha publicitária criada há um ano pela agência israelense GREAT Interactive. Nela, perfis falsos do Tinder exibem fotos deles com vários parceiros sexuais. No fim, aparece uma mensagem acompanhada pelo laço vermelho que simboliza a Aids: “você provavelmente não é o único match dela. Use camisinha”.

O Hornet – app semelhante ao Tinder, porém voltado ao público gay masculino – também foi alvo do ministério. Eles tiveram uma reação mais positiva, no entanto: um porta-voz diz ao The Verge que quer trabalhar com o governo brasileiro para melhorar a campanha, que a empresa considera “uma ótima iniciativa”.

O Ministério da Saúde quer conscientizar as pessoas em antecipação ao Carnaval. Segundo pesquisa realizada em 2013 com doze mil pessoas, 45% dos entrevistados disseram não ter usado preservativo em encontros casuais ao longo do ano.

Enquanto novos casos de infecção por HIV caíram no mundo, eles aumentaram 11% no Brasil nos últimos anos. Por isso, o país adotou uma nova estratégia de prevenção contra Aids, descrita pela ONU como “90-90-90”: isso significa 90% de pessoas testadas, 90% tratadas e 90% com carga viral indetectável até 2020. [FolhaMinistério da SaúdeExameThe Verge]

Imagens via YouTube e Blog do Planalto