A NASA finalmente respondeu uma questão de longa data: com exceção de uma, todas as seis bandeiras dos EUA na lua continuam de pé, lá. Todo mundo no país fala orgulhoso sobre isso. O único problema é que elas não são mais bandeiras dos EUA.

Elas ficaram todas brancas.

O debate acerca das bandeiras da Lua vem rolando há décadas. Engenheiros e historiadores têm discutido o assunto sem jamais ter chegado a uma resposta definitiva sobre o estado das bandeiras. Até Dennis Lacarruba, o fabricante das bandeiras, não acreditava que elas ainda estivessem de pé. A empresa de Lacarruba em Nova Jersey, a Annin, fez as bandeiras de nylon por US$ 5,50 (US$ 33, corrigido e atualizado para 2012) cada, em 1969:

“Eu não acredito que tenha restado alguma coisa. Serei honesto contigo. Elas devem ter se reduzido a pó.”

Até o cinegrafista do Lunar Reconnaissance Orbiter (LRO), Dr. Mark Robinson, estava cético. Como Lacarruba, Robinson achava que não haveria mais nenhum resquício das bandeiras.

Mas a sua própria câmera provou que ele estava errado. O LRO tem tirado fotos dos pontos de aterrissagem na Lua já faz algum tempo. Elas são tão bem definidas que você pode até ver os rastros deixados pelos veículos.

Essas fotos mostram que as sombras das bandeiras ainda estão lá. Existe até um vídeo mostrando a alteração na sombra na medida em que a Lua se movimenta. De fato, todas elas continuam lá com exceção de uma deixada por Armstrong e Aldrin, os dois primeiros homens a pisarem na Lua. A tripulação do módulo lunar da Apollo 11 fincou a bandeira muito próxima à da aeronave e, de acordo com o próprio Buzz Aldrin, ela foi jogada quando eles decolaram para se reencontrarem com Michael Collins, a bordo da Columbia, seu Comando e Módulo de serviço orbitando a Lua.

Viemos em paz

Isso significa que os EUA mandaram muito bem, certo? Não exatamente. Embora as bandeiras de nylon de US$ 5,50 ainda estejam tremulando naquela esfera sem vento, elas não são mais bandeiras dos Estados Unidos. Todos os especialistas lunares e em materiais não têm dúvida sobre isso: as bandeiras agora são completamente brancas. Se você mantiver uma bandeira por 43 anos na Terra, ela estará quase que toda desbotada. Na Lua, sem a proteção da atmosfera sobre ela, esse processo acontece muito mais rapidamente. As estrelas e listras desapareceram das bandeiras lunares já faz um bom tempo.

De acordo com o especialista lunar Paul Spudis:

“Por quarenta e tantos anos, as bandeiras têm sido expostas a toda a fúria do ambiente lunar — alternando 14 dias de Sol escaldante e um calor de 100º C com 14 dias de frio intenso de -150º C na escuridão. Mas ainda mais danoso é a intensa radiação ultravioleta (UV) da luz do Sol não filtrada no pano do qual as bandeiras da Apollo são feitas. Mesmo na Terra, as cores de uma bandeira de pano sob a forte luz do Sol por muitos anos fatalmente desbotam e precisam ser substituídas. Então é bastante provável que esses símbolos da conquista norte-americana tenham ficado brancos devido à radiação ultravioleta não filtrada da luz solar na superfície lunar. Algumas delas talvez até tenham começado a de desintegrarem fisicamente sob o fluxo intenso.”

Robinson e Lacarruba concordam com Spudis.

Bandeiras na Lua: elas ainda estão lá.

No fim das contas, a placa comemorativa deixada por Armostrong, Aldrin e Collins na superfície da Lua durante o estágio de descida da Eagle estava correta:

“Aqui homens do planeta Terra pisaram pela primeira vez na Lua.
Julho de 1969 d.C.
Viemos em paz em nome de toda a humanidade.

Neil A. Armstrong, Michael Collins, Edwin E. Aldrin”

Viemos em paz mesmo. E aqui está a bandeira para provar.

Agora, leve-nos ao seu líder.