“Esse aí é o notebook do Google? Uau, eu realmente gosto dele!” Essa parece ser a primeira reação de todo mundo que viu o protótipo Cr-48 Chrome. E não é porque eles amam o software. O Cr-48 é o que os notebooks deveriam ser. Limpos, espartanos. Não há resíduos da colinha de adesivos. Não há selos. Não há logos, marcas. Nada brilhante ou que fica piscando. Nenhuma pintura metálica ou textura áspera, diferente. É uma pele negra, pura, fosca.

Um design é considerado bem-sucedido quando ele é tão sutil que você não nota que é design. E este é o Cr-48. Não há nada desnecessário aqui (ainda que ele não tenha algumas coisas que você pode chamar de necessárias). As teclas supérfluas foram deletadas para dar espaço a algumas mais úteis, como “busca” e “captura de tela”. O trackpad não tem botões, então há mais espaço para navegação. Ele é de plástico e leve, mas firme. Há curvas e bordas exatamente onde elas deveriam estar. É um minimalismo bonito e funcional. É como se fosse um ThinkPad criado por alguém com menos de 30 anos.

Compare com aquelas fileiras de notebooks em uma grande loja. Eles têm mais tatuagens que rockstars em fim de carreira. NVIDIA GTX 483958, INTEL INSIDE, CAMISINHA PARA PC MCAFEE, HP RECOMENDA WINDOWS 7 HOME PREMIUM ULTIMATE AWESOME EDITION. E a coisa é pior quando você o liga, com aquele monte de bloatware.

Sim, tudo isso parece fazer sentido para as empresas que vendem produtos bem parecidos no fim das contas. E o contrário também: um laptop minimalista como o Cr-48 parece que só poderia ter vindo do Google, que não está tentando te vender um pacote de peças e software. Para eles não importa quem construiu o notebook, ou o que há dentro. Apenas que seus olhos estejam fixos na internet, sem distração – e que a publicidade do Google possa aparecer.

O Cr-48 é apenas um protótipo que poucas pessoas poderão usar, ok. E é uma pena que o Google deve ser a única empresa que possa nos dar este tipo de laptop, porque é o tipo de máquina que algumas pessoas claramente preferem: uma que nos permita focar apenas no que está à nossa frente.