Você não esperaria que encontrar um óvulo de tênia no cérebro fosse uma boa notícia, mas foi o caso da moradora de Nova York, Rachel Palma, no outono passado. Isso porque a larva encontrada dentro dela era a verdadeira causa do agravamento dos sintomas de insônia e alucinações de Palma, e não um tumor cerebral que os médicos inicialmente suspeitavam. Depois que o óvulo foi removido, sua saúde foi recuperada.

A história de Palma, relatada pelo Washington Post na semana passada, tem todas as características de um conto que você encontraria em uma história de horror infantil particularmente horripilante.

O que começou como um problema para dormir de Palma, seja por insônia ou pesadelos, evoluiu para alucinações. Em janeiro do ano passado, ela ficou cada vez mais desorientada e incapaz de se lembrar das coisas. Ela então decidiu procurar atendimento no Hospital Monte Sinai de Nova York, onde os médicos diagnosticaram Palma inicialmente com câncer no cérebro, depois de detectar uma lesão em seu exame de ressonância magnética. Mas quando eles realizaram a cirurgia em setembro para remover o suposto tumor, eles encontraram um cisto cor de muco em forma de bola. E quando eles abriram o cisto, encontraram uma larva de tênia.

“Estávamos todos dizendo: ‘O que é isso?'” , disse Jonathan Rasouli, chefe de neurocirurgia da Escola de Medicina Icahn, no Monte Sinai, ao Washington Post. “Foi muito chocante. Nós estávamos coçando nossas cabeças, surpresos com o que parecia.

A verdadeira doença de Palma era algo chamado neurocisticercose, uma infecção cerebral rara e complicada causada pela tênia da carne de porco, ou Taenia solium.

Existem duas maneiras pelas quais esse verme pode nos deixar fisicamente doentes. Uma delas é através da carne de porco mal cozida contaminada com cistos de tênia contendo larvas; os cistos viajam para o nosso intestino delgado, onde se tornam adultos de até 7,62 metros de comprimento, acasalam e semeiam nosso cocô com um novo lote de ovos. Essas infecções podem causar sintomas gastrointestinais geralmente leves, como dor de estômago, diarréia e perda de peso, embora muitas pessoas nunca apresentem sintomas nenhum.

Mas os hospedeiros humanos também podem ser um beco sem saída para o ciclo de vida do verme. Os novos ovos precisam encontrar o caminho de volta para os porcos para repetir os passos acima, ou eles nunca se tornarão adultos. Se outra pessoa for infectada por ela, por exemplo, ao comer alimentos manipulados por alguém que não lavou as mãos cheias de cocô, os ovos crescerão na forma coberta de cistos, mas ficarão presos lá para sempre. Para um toque adicional de humor negro, você também pode se re-infectar com os ovos de tênia atrofiados que você ajudou a trazer para o mundo.

Esse desenvolvimento interrompido ainda pode ser perigoso para nós, já que os cistos podem acabar na corrente sanguínea através do intestino e viajar para o cérebro ou outras regiões vulneráveis. A partir daí, as larvas – geralmente depois de morrer – podem desencadear uma reação imunológica maciça que danifica o tecido ao redor. Mas essas complicações podem levar anos para aparecer após a infecção inicial.

Em comparação com o prognóstico cruel para a maioria dos cânceres cerebrais, a neurocisticercose é geralmente muito mais gerenciável se detectada precocemente, embora o tratamento possa variar com base em onde e quantos cistos são encontrados. Ainda assim, de acordo com o Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC, em inglês), até 10% das pessoas hospitalizadas morrem. No caso de Palma, felizmente, depois que os médicos removeram a tênia, seus sintomas desapareceram em grande parte.

“A melhor parte da minha história é que tem um final feliz”, disse ela ao Washington Post.

Embora a neurocistose seja relativamente rara nos EUA, é a infecção por vermes cerebrais mais comumente relatada em áreas endêmicas como a América Latina, África e Ásia, bem como uma causa comum de convulsão. E a cisticercose em geral é considerada uma das cinco infecções parasitárias negligenciadas pelo CDCo, o que significa que ela também merece mais atenção da saúde pública nos EUA.