Seus tweets nunca foram tão valiosos. As ações TWTR estrearam hoje na bolsa de valores NYSE, em Nova York, e elas estão subindo cerca de 75%.

Em uma oferta pública de ações (IPO), os donos de uma empresa vendem parte dela na bolsa de valores. Com isso, eles arrecadam dinheiro para investir na empresa. Os donos do Twitter venderam 10% da empresa a US$ 26 por ação.

Isso significa que o Twitter conseguiu US$ 1,8 bilhão para investir em pesquisa e desenvolvimento, a fim de se reinventar para o futuro e se tornar uma empresa de mídia. Este é o segundo maior IPO de tecnologia dos EUA, ficando atrás do Facebook (e à frente do Google).

Isso também significa que os criadores do Twitter ficaram (ainda mais) ricos! Evan Williams e Jack Dorsey, dois dos cofundadores do Twitter, têm ações no valor de US$ 1,5 bilhão e US$ 609 milhões, segundo o TechCrunch. (Biz Stone e Noah Glass, os outros criadores, não são citados nos documentos do IPO.)

O CEO da empresa, Dick Costolo, tem US$ 200 milhões em ações do Twitter. E quem investiu na empresa antes de ela abrir o capital – como o ator Ashton Kutcher, o príncipe Alwaleed bin Talal da Arábia Saudita, e o bilionário Richard Branson – também ganha com o IPO.

twitter ipo

E o que isso significa para você? Provavelmente, mais anúncios: os acionistas vão pressionar o Twitter a ganhar mais dinheiro com seus usuários, e 85% da receita vêm de propagandas. Vale notar que a rede social dá prejuízo: só no último trimestre, ela sangrou US$ 64 milhões.

Mas anúncios não são nada sem engajamento, e o Twitter está trabalhando nisso também, deixando mais visíveis os ícones para responder, favoritar e retuitar – e assim deixando a interface mais poluída nos apps e na web.

Além disso, haverá pressão para o Twitter aumentar sua base de usuários, que hoje está em 230 milhões. Eles estimam que apenas 5% dos usuários mensais são fakes ou contas de spam; mas reconhecem que o número “pode ser maior do que estimamos”.

Por enquanto, a estreia do Twitter na bolsa de valores foi um sucesso – ao contrário do IPO desastroso do Facebook. É um bom começo; resta ver se a empresa aguentará a pressão dos acionistas daqui em diante. [TechCrunch]