O Twitter deve continuar em sua empreitada de apontar tuítes com alegações falsas. A plataforma agora está sinalizando publicações que mentem ao fazer ligações entre o lançamento das redes 5G com o avanço de COVID-19, incluindo um link para uma checagem de fatos.

“Veja os fatos sobre COVID-19”, diz a sinalização, e o link direciona para uma sequência de tuítes e artigos que desmascaram a teoria da conspiração.

“Ampliamos nossa orientação sobre alegações não verificadas que incitam as pessoas a se envolverem em atividades prejudiciais, que possam levar à destruição ou dano de infraestrutura crítica de 5G, ou que possam levar a pânico generalizado, agitação social ou desordem em larga escala”, disse o Twitter.

Como aponta o Business Insider, teorias da conspiração que ligam as ondas de radiofrequência de celulares sem fio ao câncer já se espalham há anos. Agora, essas teorias da conspiração se expandiram para incluir o 5G, que opera em uma frequência mais alta e exige mais infraestrutura.

A desinformação sobre como 5G funciona inspirou as pessoas a queimar torres de celular ao redor do mundo. Uma das teorias afirma que o 5G enfraquece os sistemas imunológicos e, portanto, torna as pessoas mais suscetíveis a contrair COVID-19. Não há, no entanto, evidências científicas que sustentem isso. Reguladores do Reino Unido, por exemplo, descobriram que a quantidade de radiação eletromagnética emitida pelas torres 5G está bem abaixo das diretrizes internacionais.

Entretanto, o Twitter não está removendo tuítes que espalham as informações falsas e o algoritmo do Twitter para identificar tais publicações não é perfeito.

“Como já dissemos anteriormente, não tomaremos medidas em cada tuíte que contenha informações incompletas ou discutíveis sobre COVID-19”, disse um porta-voz do Twitter ao Business Insider.

Uma busca rápida pelos termos ‘5G’ e ‘coronavirus’ no Twitter faz aparecer o selo de verificação de fatos em tuítes publicados por pessoas que acreditam muito claramente que 5G causa COVID-19 – mas o algoritmo não encontra todos eles.

A etiqueta de checagem de fatos também é aplicada a muitos tuítes sobre 5G e COVID-19 que são sarcásticos. Além disso, alguns usuários parecem estar realizando vários testes para ver qual combinação de ‘5G’ e ‘coronavirus’ aciona a sinalização em seus tuítes.

Mas a checagem de fatos por si só não vai ajudar a diminuir o maior problema do Twitter: os bots. Um estudo recente da Universidade Carnegie Mellon descobriu que bots e contas falsas formaram a grande força motriz por trás da campanha “reopen America” (reabra a América) no Twitter. Claramente, os bots não são dissuadidos por rótulos de verificação de fatos – embora as pessoas reais que retuítam essas contas falsas possam ser.