Empregados do Uber estão aparentemente circulando uma petição exigindo que Travis Kalanick seja recolocado como CEO da companhia, apesar do quão magistralmente ele ferrou com tudo nesse último ano.

• Aplicativo Cabify se une à brasileira Easy para ampliar mercado na América Latina
• Travis Kalanick renunciou ao cargo de CEO do Uber



Kalanick renunciou ao cargo nessa semana, após pressão de cinco grandes investidores do Uber após a divulgação de um relatório sobre a cultura interna do Uber e uma aparentemente infinita série de escândalos e bagunças.

Apesar da evidência esmagadora de que Kalanick precisava partir, mais de mil empregados atuais do Uber agora assinaram uma petição exigindo que a diretoria o reintegre, segundo noticia o Axios. De acordo com capturas de tela obtidas pelo BuzzFeed, a petição diz que os empregados “deveriam se revoltar contra isso” e que Kalanick era uma “inspiração” que pode “voltar mais forte como Travis 2.0”. O Recode noticia que a petição diz que a diretoria deve “ouvir dos empregados Uber que ela tomou a decisão errada ao pressionar Travis a sair e que ele deveria ser reintegrado em um cargo operacional”.

Nos dias seguintes à renúncia de Kalanick, houve uma efusão previsível de apoio por parte dos aliados de Kalanick, basicamente argumentando que o “trabalho duro” do ex-CEO compensava por toda aquela “permissão para que uma cultura de assédio sexual florescesse”, incluindo literalmente chamar a empresa de “boober” para fazer uma piada sobre quantas mulheres ele conseguiu.

Um desses posts, da gerente de produtos do Uber, Margaret Seger, agradecia a Kalanick por “criar uma cultura em que — como uma mulher — não era apenas ok, como também se era encorajado se posicionar”, um contraste gritante com a outra figura pintada por outras empregadas mulheres, como Keala Lusk ou Susan Fowler. O post foi curtido pelo fundador do Facebook, Mark Zuckerberg.

É só um pessoal descolado do Vale do Silício, protegendo um ao outro.

[BuzzFeed]

Imagem do topo: AP