O Twitter anunciou hoje a demissão de 8% de seus funcionários (o que equivale a 336 pessoas). Até aí, tudo bem. A empresa não foi e nem será a primeira a fazer desligamentos (para usar um termo corporativo).

O problema foi como Bart Teeuwisse, um engenheiro sênior de software do Twitter, ficou sabendo de sua demissão. Ao checar seu e-mail, havia uma mensagem dizendo que ele tinha sido removido da rede corporativa da companhia.

Ele até tuitou a sequência de acontecimentos: após o anúncio do mercado financeiro, ele acessou sua conta de e-mail e verificou que tinha sido demitido.

Apesar do ocorrido, Teeuwisse esclareceu em um tweet posterior que ele trabalha de casa e que o RH da companhia tentou contatá-lo. No entanto, a chamada foi direto para a secretária eletrônica. Mesmo assim, pelo que foi relatado, parece que o departamento de recursos humanos decidiu removê-lo da rede mesmo sem formalizar a demissão pessoalmente.

Procurado pelo ArsTechnica para comentar sobre o ocorrido, o Twitter apenas compartilhou a mensagem de Jack Dorsey, CEO do Twitter, sobre o corte de funcionários.

“Tivemos de tomar uma decisão dura: vamos demitir 336 pessoas da companhia. Estamos fazendo isso com o maior respeito possível aos funcionários [desligados]”, diz um trecho da mensagem assinada por Dorsey. No comunicado, o CEO do Twitter ainda diz que a companhia fornecerá generosos pacotes de benefícios e que ajudará os funcionários a procurar um novo emprego.

Chata a situação, não? Sobre isso, o Gawker até brincou: “Você foi removido do Twitter Inc é o equivalente digital a tentar entrar em sua casa, mas, ao colocar a chave, a fechadura já foi trocada”

[ArsTechnica e Gawker]

Foto por Anthony Quintano/Flickr