Dentro do coração de Munique, uma pequena construção abriga boa parte da história da BMW nas corridas, e tudo ali funciona de verdade. Normalmente fica fora do alcance do público, mas pequenos grupos de entusiastas às vezes são autorizados. Como nós.

Me deparei com a maioria dessas fotos ontem, enquanto fuçava um velho laptop. Elas foram feitas numa viagem para Munique no começo de 2006, e esquecidas pouco depois. A granulosidade e os efeitos estranhos são cortesia de uma antiga Olympus digital do tipo aponte-e-dispare que eu tinha naquela época; carregava um cartão de memória relativamente minúsculo, e as imagens abaixo são tudo o que o cartão conseguiu segurar.

Minhas notas daquela viagem foram perdidas quando me mudei para a Califórnia, mas algumas coisas imediatamente surgem à mente: estava na Alemanha para a estréia do cupê da série E90-3 com o motor N54 turbo de seis cilindros em linha. Eu era parte de um pequeno grupo de jornalistas americanos. Passamos a maior parte do tempo dentro e ao redor da nova fábrica da BMW, e jantamos no térreo do prédio que abriga o acervo Mobile Tradition (agora chamado de – ugh – BMW Classic). Um tour pelos pisos superiores – a área onde a maior parte da produção histórica e da frota de motorsport é mantida – se seguiu.

Para um geek fanático por BMW como imagino que você também seja, foi essencialmente o nirvana. Nunca voltei lá depois, mas naquela época, a coleção do MT era dividida por propósito: um andar para carros de linha, outro para carros de corrida, um salão para motocicletas, e por aí vai. Tudo era arranjado como se estivesse numa garagem de uma pessoa normal – uns poucos estojos de ferramentas e pneus usados empilhados nos cantos, mas no geral uma garagem. Carros estavam estacionados tocando os para-choques, e motores de competição ficavam em estandes nos cantos. A maioria ficava tão empilhada que você não podia andar para qualquer lado, só pelo corredor central de cada sala. Sendo louco por sedãs, gravitei mais nos carros de corrida baseados em modelos de produção, e é por isso que essas fotos estão inclinadas para essa direção.

A melhor parte foi a ausência quase absoluta de sinalização ou identificação. Se você não prestasse atenção, poderia passar batido por histórias sem preço. Um Brabham F1 com motor BMW e mais de 1000 cavalos. Um sedã E30 M3 da equipe Zakspeed de DTM, com propagandas da cerveja Warsteiner. O 320i Group 5 turbocharged dirigido por Hans Stuck. Uma sala cheia de carros pintados por artistas (Wharhol, Calder, Lichtenstein). O carro de Fórmula 2 com motor Apfelbeck montado por Ale von Falkenhausen, o homem por trás do M10 e dos modelos Neue Klasse. E um milhão de outras coisas, todas elas colocadas para funcionar regularmente, segundo a fábrica.

Infelizmente, nós não conseguimos ver tudo – metade da coleção de rua estava ausente devido a um ou outro evento, e a supersecreta área do subsolo, onde supostamente ficam o arquivo experimental e projetos abandonados, possui acesso restrito. Mesmo assim, essa não é uma maneira ruim de embalar uma quarta-feira de cinzas.

por Sam Smith