Você não precisa de uma força mágica para testemunhar as maravilhas cósmicas – só de um bom telescópio. Felizmente, os cidadãos da Terra têm o Hubble, que vem capturando o universo há 25 anos. E, na semana de lançamento do novo Star Wars, você pode apreciar o mais recente retrato astronômico do Hubble, que também lembra bastante um sabre de luz duplo.

É a imagem perfeita para deixar você pensando em O Despertar da Força durante o dia inteiro, enquanto você conta as horas para sair do trabalho e ir ao cinema. Mas tem muito mais coisa acontecendo nesse espaço turbulento do espaço do que a comparação com o sabre usado por Darth Maul. Você está olhando para jatos gêmeos de plasma sendo disparados de uma estrela adolescente a velocidades supersônicas, queimando e cauterizando a nebulosa ao redor deles. A estrela em si queima brilhantemente em direção ao centro da imagem, situada em uma nuvem espessa de poeira interestelar.



Quando as estrelas nascem dentro de nebulosas gigantes e gasosas, parte do material ao redor entra em colapso e forma um disco achatado. Muito depois do fim da formação da estrela, o gás do disco continua sendo puxado para dentro pela sua gravidade imensa. Essa chuva celestial energiza o pequeno corpo estelar, levando-o a disparar fluxos de plasma superaquecido no espaço.

Conforme esses jatos estelares colidem e aquecem a matéria celestial ao redor, eles criam ondas de choque curvadas, que se manifestam como aglomerados que cientistas chamam de objetos Herbig-Haro (HH). Essa jovem estrela é um exemplo notável do fenômeno, com diversos objetos Herbig-Haro claramente visíveis.

Eis a imagem completa, conforme vista pelo Hubble em infravermelho.

Outra vista da mesma região do espaço:

Abaixo você pode ver um vídeo do fenômeno:

Isso tudo está acontecendo a 1350 anos-luz de distância, no complexo de nuvens moleculares Orion B na constelação Orion. Um bom lembrete de que nossa galáxia, apesar da ausência de mágica, é maravilhosa.

[Hubble]