Às vezes, terremotos nos lembram que a terra firme debaixo dos nossos pés pode tremer como se fosse gelatina. Mas há uma vantagem em toda esta agitação: as ondas sísmicas são um modo de perscrutar profundamente dentro da terra e mapear o que está sob a crosta.

O computador Titan, do Laboratório Nacional de Oak Ridge, no Tennessee, foi usado para gerar este mapa baseado em como as ondas sísmicas atravessam a Terra. Vermelho indica ondas mais lentas e os azuis, as mais rápidas. New Scientist explica:

Dados sísmicos nos permitem construir uma imagem do manto – camada entre a crosta e o núcleo externo da terra – seguindo o destino de vibrações criadas por terremotos. Como elas viajam mais lentamente através de materiais viscosos, tais como magma derretido, do que através de rocha sólida, analisar as consequências sísmicas de centenas de terremotos em todo o mundo revela características internas como depósitos minerais, lagos subterrâneos e o movimento e a forma de placas tectônicas.

Tendo mapeado partes da Europa, Califórnia e a China, os pesquisadores estão trabalhando atualmente em mapear toda a Terra e seu manto em profundidades de até 2.900 quilômetros. O que tem embaixo da Terra? Só um terremoto pode dizer… [Journal of Geophysical Research via New Scientist]

Imagem do topo: Ebru Bozdağ, Universidade de Nice Sophia Antipolis, e David Pugmire, Laboratório Nacional de Oak Ridge