Você pode usá-la para gerar eletricidade, aquecer sua casa ou jogar videogames. Urina é uma coisa bem versátil — e agora cientistas podem fazer neurônios a partir dela.

Peraí, como assim? É difícil de acreditar, mas cientistas anunciaram que eles conseguem forçar algumas células que são expelidas do corpo humano a crescer e se transformar em neurônios, desde que haja as condições corretas. Eles publicaram os resultados na Nature Methods.

Os pesquisadores mostraram que podem pegar células epiteliais dos rins, presentes na urina, e transformá-las em células-tronco pluripotentes — que podem ser induzidas a se tornar qualquer tecido humano — em apenas doze dias. Isso é cerca de metade do tempo necessário para fazer esse tipo de célula, um processo normalmente conduzido usando biópsias de tecidos ou amostras de sangue como alternativas a usar células-tronco embriônicas.

Os pesquisadores já haviam alcançado resultados semelhantes, mas as células-tronco não eram previsíveis por causa de um pequeno detalhe de engenharia genética que era preciso para que elas funcionassem. O novo projeto, liderado por Duanqing Pei do Instituto de Biomedicina e Saúde de Guangzhou, na China, não possui esse tipo de problemas. De fato, os cientistas foram capazes de fazer as células se tornarem em neurônios estáveis e totalmente funcionais em quatro semanas. Eles também parecem seguros: quando transplantados em cérebros de ratos, não causaram tumores e se comportaram de acordo com o que era esperado pelos pesquisadores.

No geral, pode ser um grande avanço para a medicina regenerativa. Sem precisar usar as polêmicas células-tronco embrionárias ou ter que conseguir amostras de tecido ou sangue por processos invasivos, essa pode ser uma maneira fácil e rápida de criar células-tronco para usar na regeneração de tecidos. E tudo isso com um material que, hoje, vai todo para o esgoto. [Nature]

Imagem: Francisco Antunes sob licença Creative Commons