Uma nova operadora de telefonia móvel será lançada no Brasil até o final do ano: a Veek, empresa que terá como público-alvo os jovens da classe C. Entre as apostas do novo negócio estão a venda exclusiva de planos pré-pagos e tarifas simplificadas com preços fixos.

Segundo o Mobile Time, a companhia planeja cobrar uma tarifa única por minuto de ligação, independente da chamada ser para fixo ou móvel, local ou de longa distância. O mesmo vale para o megabyte trafegado e para os SMS enviados. Todo o controle do consumo poderá ser acompanhado pelo app da Veek no Android ou iOS, num estilo semelhante ao do Nubank.

Embora as tarifas ainda não estejam definidas, o criador da Veek, Alberto Blanco, afirma que os preços serão menores que nas outras operadoras, já que a estrutura é mais enxuta, gerando menores custos operacionais.

Os consumidores poderão utilizar uma calculadora que irá comparar os preços da concorrência. Com o consumo de dados, minutos e mensagens de texto do mês anterior, os potenciais clientes poderão consultar quanto seria gasto utilizando a Veek. A empresa, no entanto, espera gerar receita média mensal de R$ 40 por usuário, acima da arrecadação de grandes operadoras, como Vivo (R$ 27), TIM e Oi (R$ 17) e Claro (R$ 14).

Por se tratar de uma operadora móvel virtual, não haverá infraestrutura de antenas próprias. Será utilizada a rede da TIM, por meio de um contrato com a Surf Telecom. Outras operadoras móveis virtuais que operam no Brasil são Porto Seguro, Correios, Datora, Terapar e Mais AD.

Para conquistar uma base de clientes, a companhia adotará um modelo de marketing multinível. Um sistema de comissão por indicação foi montada. Os consumidores também receberão 2,5% do valor da recarga de seus convidados diretos, 1% da recarga dos convidados de convidados e 1% no nível seguinte. Além disso, será possível comprar um pacote com dez SIMcards ao preço de R$ 100 e que podem ser revendidos a R$ 20 cada. O dinheiro recebido será carregado num cartão de débito da MasterCard.

Um beta da Veek será lançado nos próximos meses para uma quantidade limitada de usuários.

[Mobile Time via Tecnoblog]