Os vencedores do prêmio de melhor ilusão de ótica do ano de 2018

Todos os anos, vários membros da comunidade de ilusões de ótica — composta por cientistas, neurologistas, pesquisadores e até artistas — reúnem-se para decidir qual de seus recém-criados embaralhadores de cabeças merece a honra de Melhor Ilusão do Ano. Este ano, o japonês Kokichi Sugihara conquistou o primeiro prêmio com uma ilusão ilusoriamente simples que joga com a forma como a nossa mente percebe objetos 3D.

Esta não é a primeira vez que Kokichi Sugihara, matemático da Universidade Meiji no Japão, ganhou o prêmio de Melhor Ilusão do Ano de 2018. Nem é a primeira vez que suas fantásticas obras aparecem no Gizmodo. O Triply Ambiguous Object, sua mais recente criação premiada, parece ser uma estrutura 3D simples, com uma pequena bandeira montada em um dos seus muitos cantos.

Mas, quando visto de outras perspectivas, como demonstra este vídeo usando um par de espelhos, o objeto parece ser uma estrutura completamente diferente, com a bandeira de alguma forma aparecendo simultaneamente em outros locais. O uso inteligente do sombreamento e a forma como a imagem 2D foi ilustrada enganam o cérebro a pensar que a ilustração existe em 3D. À medida que a perspectiva do espectador muda ao olhar para o objeto de diferentes ângulos baixos, o que faz com que suas linhas pareçam inclinadas, o cérebro interpreta essas sugestões visuais de maneira diferente, produzindo três layouts 3D alternativos para as várias plataformas e protuberâncias do objeto.

O segundo lugar foi para David Phillips, Priscilla Heard, e Christopher Tyler, do Reino Unido, por sua animação Movement Illusion with a Twist. Começa com um padrão perpétuo de diamantes que parece fluir obliquamente através do quadro (para cima e para a direita), mas quando um padrão de plano de fundo é introduzido, dando ao seu cérebro um ponto de referência adicional, o padrão parece sair do esquerda para o lado direito do quadro, quando na realidade os movimentos do padrão animado permanecem estáticos.

O terceiro lugar foi concedido a Michael Pickard e Gurpreet Singh, também do Reino Unido, pela Worm’s Eye View Illusion. Uma simples animação repetida de quatro quadros que altera a cor das listras de um verme, fazendo com que ele pareça estar se movendo em uma direção muito específica. Mas quando as cores mudam, assim como o brilho relativo percebido pelo cérebro, o movimento de repente parece inverter a direção.

Conclusão? Seu cérebro está mentindo para você e o melhor a fazer é simplesmente procurar uma caverna bonita, silenciosa e escura para viver o resto da sua vida.

[Best Illusion of the Year Contest via Futility Closet]

Artigo anterior Trabalhar na Netflix parece ser um inferno
Próximo artigo Os melhores apps da semana para Android
Fechar