O cruzeiro Costa Concordia naufragou na Itália em 2012, após uma colisão que matou 32 dos seus 4.229 passageiros e tripulantes a bordo. No ano passado, o navio foi endireitado com sucesso nas águas da Toscana, mas agora começa o verdadeiro desafio: retirá-lo da costa da Ilha de Giglio e levá-lo até um porto de Gênova para ser desmantelado. Os trabalhos já começaram.

Até então, o navio repousava na posição vertical sobre uma plataforma submarina, usando 30 tanques de metal cheios de água dispostos ao longo de seus flancos. E hoje, os engenheiros estão bombeando os tanques com ar comprimido, elevando o navio de 44.600 toneladas para fora da plataforma.



>>> É assim que o Costa Concordia, cruzeiro que naufragou em 2012, está hoje

No início, a equipe só vai levantar o Concordia a alguns metros, para inspecionar sua estrutura e ver se ele está firme o bastante para sobreviver os 240 km de viagem até Gênova – o navio será transportado pelo mar.

Mas essa viagem não vai acontecer de imediato: primeiro, as equipes terão que mover o barco gigante por cerca de 30 metros para limpá-lo. Depois de dois anos e meio ​​semi-submerso, a comida, combustível e ornamentos de luxo deixados para trás quando o navio foi evacuado provavelmente se transformaram em uma sujeira tóxica, que talvez prejudique o meio ambiente. Além disso, o navio está em um santuário marinho.

Se o navio estiver firme o suficiente para a viagem, e os engenheiros não encontrarem nenhuma surpresa bizarra ao levantá-lo, o Costa Concordia então será levado a 4 km/h para o porto de Gênova. No final da viagem de cinco dias, o cruzeiro gigante será desmontado aos poucos, em um processo que levará vários anos.

O contrato para desmantelar o navio custou US$ 275.000, fora as centenas de milhões de dólares gastos apenas para estabilizar o barco. [Wired; vídeo por Channel 4]

Foto por The Parbuckling Project