O americano Paul Rosolie ganha a vida estudando cobras e comandando o projeto Tamandua Expeditions, que ajuda cientistas e aventureiros a explorar a floresta amazônica no Peru. Ele também é um cara maluco que foi engolido por uma sucuri, também conhecida como anaconda.

Em Eaten Alive (Comido Vivo), um documentário do Discovery Channel, Paul e sua equipe capturam uma cobra enorme – com 7,5 m de comprimento e 200 kg – para ver se ela consegue engolir um ser humano inteiro sem matá-lo.

Isso obviamente não é fácil: há uma série de precauções para aguentar o bote, a pressão e os ácidos dentro da sucuri. No vídeo abaixo, eles mostram as diversas camadas que Paul usou para ser engolido:

Primeiro, ele veste uma camiseta com dispositivo Bluetooth embutido que monitora sinais vitais: batimento cardíaco, respiração e temperatura. Depois, ele veste um colete de resfriamento com cerca de 450g, que circula água fria em tubos.

Por cima disso, coloca-se um traje Tychem, que protege Paul dos ácidos no estômago da cobra. E para aguentar a mordida da cobra, ele veste uma malha de metal, mais uma armadura de fibra de carbono.

A ideia é ser engolido primeiro pela cabeça: para continuar respirando, ele usa uma máscara SCBA, equipamento que permite respirar o ar proveniente de tubos. Por cima dela, fica um capacete para proteger a cabeça.

E não acabou: ele ainda usa uma superfície que mede a pressão exercida pela cobra, mais uma camada de neopreno para ser engolido mais facilmente. Ele testa o traje completo neste vídeo:

O que acontece depois? Do New York Post:

O traje foi mergulhado em sangue de porco para dar o cheiro de presa… então Rosolie imitou os movimentos do animal, e uma vez que a cobra o pegou, ele se contorceu e a deixou esmagá-lo. “Não demorou muito”, diz ele.

Paul foi realmente engolido pela cobra na Amazônia peruana; a cena foi gravada, mas ainda não está disponível online – ela será exibida este domingo no Discovery Channel americano. O canal diz que a cobra “está viva e passa bem”.

Controvérsia

Ambientalistas não gostaram da ideia de capturar uma sucuri – que sofre com a caça e a destruição de seu habitat – para forçá-la a engolir um ser humano, presa maior do que ela está acostumada a comer. Este abaixo-assinado contra a exibição do programa já reúne quase 40.000 asssinaturas.

Paul responde assim em seu site, fazendo referência a seu livro Mother of God:

As anacondas realizam um papel importante no ecossistema da Amazônia, que fornece 1/5 do oxigênio e contém 1/5 da água doce do planeta. Para aqueles preocupados com a crueldade contra animais, eu convido você a examinar o meu trabalho – leia meu livro. Então pergunte a si mesmo: essa pessoa machucaria um animal?

Ele também diz que o documentário tem por objetivo arrecadar fundos para manter o habitat das sucuris. E segundo o NY Post, “Rosolie fez o primeiro estudo científico das sucuris na Amazônia – sua equipe registrou o peso, comprimento, sexo e localização de cada anaconda que eles encontraram”.

Eaten Alive estreia nos EUA neste domingo. O documentário está previsto para estrear no Brasil em fevereiro de 2015. [Discovery Channel via New York Post via HypeScience]

Imagem por Discovery Channel