A Universidade Harvard preparou uma demonstração do que a fotografia Schlieren é capaz. Trata-se de um método criado em 1864 para visualizar o fluxo de gases invisíveis; com ela, é possível ver o comportamento do ar.

Graças à diferença de densidade entre o ar quente e frio, a luz muda de velocidade, se curva e cria distorções visuais. Ao medir essas pequenas mudanças no índice de refração no ar, é possível ver como ele se movimenta sem usar corantes ou algo do tipo.



No vídeo acima, utiliza-se uma lâmpada, um espelho de telescópio, uma lâmina de barbear e uma câmera de vídeo com lente zoom – provavelmente não é algo que você possa fazer em casa. A Harvard explica:

A “fonte pontual de luz” é uma lâmpada incandescente automotiva posicionada atrás de um pinhole de 400 mícrons… A lâmina de barbear é inserida em um apoio ajustável, para que possa ser movida verticalmente, bem como longitudinalmente na direção do espelho.

O espelho esférico é posicionado a duas vezes o comprimento focal de distância da luz… Como o espelho está bem longe, a câmera de vídeo deve ser equipada com uma lente zoom de longa distância focal, de 100 a 150 mm…

Mas para que usar uma lâmina de barbear? Na verdade, é ela que permite ver as perturbações do ar. Como explica o Digg:

A fonte pontual de luz é refletida por um espelho côncavo e concentra-se na borda de uma lâmina de barbear, que fica em frente à câmera. A luz refratada perto do espelho que não for interceptada pela lâmina dá a ilusão de uma sombra.

Essa “sombra” é o que você vê no vídeo. Com esta técnica, é possível observar o calor emitido por suas mãos, o ar frio caindo de um copo d’água, ou até mesmo os movimentos de gases como o hexafluoreto de enxofre. Saiba mais: [Harvard Natural Sciences Lecture Demonstrations]