Está marcada para amanhã uma coletiva do CERN em Melbourne, na Austrália, a respeito do bóson de Higgs, a apelidada partícula de Deus que, esperam os físicos teóricos, quando confirmada consolidará a teoria do modelo padrão da física de partículas. Mas hoje, na véspera do evento, um vídeo do CERN sobre o tema vazou. O que ele diz?

Nada conclusivo, mas longe de declarar uma falha na tentativa de comprovar a existência do bóson. Nele, Joe Incandela (na foto ali em cima), porta-voz do CMS, um dos detetores de partículas do CERN, confirma a descoberta de uma partícula, mas é reticente em confirmá-la como sendo o bóson de Higgs:

“Observamos uma nova partícula. Temos fortes evidências de que há algo ali, então averiguar as suas propriedades ainda nos tomará algum tempo.”

Ao Telegraph, o CERN disse que esse é um dos vários vídeos gravados para os vários possíveis resultados dos experimentos realizados até agora. Em outras palavras, deve haver outro vídeo onde Incandela aparece animado sambando ao lado de um bóson de Higgs, outro onde ele só diz que a partícula não existe, e por aí vai — como os vários finais do finado Você Decide. Não dá para tirar conclusões antes do anúncio de fato, marcado para amanhã.

No vídeo vazado, Incandela diz que chegaram a um bóson com 121 GeV (gigaelétron-volt), muito próximo do que se espera seja a energia do bóson de Higgs (125 GeV). Seu discurso é vago o bastante para deixar em aberto a possibilidade de que o bóson de Higgs tenha sido, enfim, encontrado.

O vazamento e a aura de mistério que envolve o LHC, o CMS e o CERN de modo geral, tem deixado a comunidade científica em polvorosa. Muitos creditam a esses eventos a descoberta de algo grande; possivelmente o bóson de Higgs, mas, novamente, não dá para ter certeza ainda.

Estaremos de olho no desenrolar dessa história — e na torcida para que, desta vez, o pessoal do CERN tenha notícias melhores do que na última em que reuniu a imprensa para falar da partícula de Deus.