Os brasileiros ganharão uma nova opção de serviço de conteúdo via streaming: a Vivo anunciou o Vivo Play, que funciona no mesmo modelo do Netflix e oferece acesso ilimitado a séries, filmes e documentários por R$ 19,90 por mês – mas até o Carnaval do ano que vem custará R$ 9,90 mensais.

O nome “Vivo Play” pode não parecer estranho. Isso acontece porque ele realmente não é. A Vivo lançou há alguns anos uma loja de conteúdo para dumbphones para serem acessados via WAP e usou o nome “Vivo Play”. Mas agora a história é outra e a empresa vai usar o nome no seu serviço de vídeo on demand.

Ele entrará no ar apenas na semana que vem e poderá ser acessado em diversos dispositivos. No começo, será compatível com smartphones e tablets com Android, SmartTVs da Samsung e LG, o Xbox 360 da Microsoft e PCs (via web), mas os planos da empresa incluem a expansão para iOS, app para Windows 8 e Windows Phone 8 – e até a oferta de uma set-top box para aqueles que não possuem Smart TV em casa. Como em outros serviços parecidos, você pode começar a assistir um filme pela TV e continuar do ponto que parou no tablet ou em outro aparelho.


Fora os 3.500 títulos em catálogo, o Vivo Play também conta com aluguel de filmes – oferecido principalmente para lançamentos. Dessa forma, além da assinatura mensal, você poderá pagar mais R$ 6,90 (ou R$ 9,90, se quiser em HD) para assistir filmes que estejam fora do catálogo. O aluguel é válido por um dia ou 48 horas (depende do acordo que a empresa fecha com a distribuidora) e nesse tempo você pode ver o filme quantas vezes quiser.

Isto é semelhante ao Claro Vídeo, serviço de streaming que estreia no primeiro trimestre de 2013. Este oferecerá um pacote básico e um completo, mas terá a opção de pay-per-view.

Mas o serviço da Vivo já estreia com alguns problemas. Para começar, ele custa R$ 5 a mais do que o Netflix. E a oferta de conteúdo parece menor do que no concorrente – são 3.500 títulos no lançamento e adições semanais à biblioteca, enquanto o Netflix alega ter mais de 10.000 títulos disponíveis para seus assinantes.

Outro problema envolve o aplicativo para Android – ele não roda os vídeos em HD, apenas em SD. Para ver um filme em alta definição você precisará ligar o Vivo Play no Xbox, na TV ou no PC. Não deve ser um problema para quem quiser assistir no smartphone, mas não deixa de ser uma perda para quem quiser ver em um tablet.

E como funciona?

Testamos rapidamente o app para Android para ver o que o serviço tem a oferecer.

Nem todo o conteúdo estava disponível – a Vivo ainda está enviando os vídeos para os servidores e, quando disponibilizar oficialmente o Vivo Play na semana que vem, tudo estará lá. Então não podemos falar muito sobre o que tem ou o que faz falta. Mas alguns blockbusters já estavam na área de locação (Jogos Vorazes, filmes da Pixar) e no catálogo encontramos algumas séries como Lost e Desperate Housewives. O catálogo parece semelhante ao que vimos no Claro Vídeo.

O app para Android é simples, bonito (apesar da versão “esticada” para tablet) e funcionou bem. Na tela inicial ele mostra uma área “Meu Play” com seus vídeos preferidos, os últimos que você assistiu e o conteúdo que você alugou. Também tem uma área de recomendações, o acesso a todo o catálogo do serviço e os vídeos mais populares entre os assinantes. Ele é bastante fácil de navegar e é bem intuitivo.

Com o filme em execução você tem a opção de ativar ou desativar legendas e pular até a parte que quiser dele. O app guarda a parte do filme que você parou de ver para retomar em outro momento – seja pelo tablet, smartphone, Xbox, TV ou PC.

O Vivo Play vai entrar no ar na semana que vem. Até o Carnaval de 2013 custará R$ 9,90 por mês, e depois, passará a custar os R$ 19,90 anunciados. A empresa pretende criar promoções para quem já é assinante de algum dos seus serviços, mas nada está previsto para agora.