Lembra quando quase todo mundo mudou do Firefox para o Chrome? O navegador do Google era enxuto, simples, e muito rápido. Era como navegar na web em um computador totalmente novo. Hoje em dia, o Chrome está pesado, lento e constantemente travando. Eu finalmente cheguei ao ponto de ruptura.

Eu venho me dispondo a mudar há algum tempo, à medida que o Chrome se tornava cada vez pior. E os sinais começaram a aparecer há anos. Já em 2011, o Google estava “considerando agressivamente as opções para reduzir o tamanho dos binários de distribuição do Chrome”.

É claro que o espaço ocupado pelo navegador não é nada se comparado aos problemas de uso de memória. Uma busca superficial traz todo tipo de pedidos e reclamações, polvilhados ao longo dos anos. E o mais condenável é abrir o gerenciador de tarefas e ver isso por si próprio.

Chrome consumindo memoria
Logo depois de reiniciar o computador, com algumas abas abertas. Esses processos “helper” estão ajudando em quê?

Adicione a isso travamentos frequentes – do Chrome como um todo, ou apenas do Flash – engasgos, e uma meia dúzia de abas que abrem sozinhas quando eu rodo o navegador, por causa das dezenas de extensões que eu acumulei ao longo dos anos.

Sim, eu tentei fazer uma limpeza nas extensões, e não deu certo. Tentei reinstalar o Chrome do zero, e não deu certo. E o pior é que, neste último mês, o Chrome ficou muito pior para mim e para meus colegas de trabalho também.

Por isso, eu cansei. Não aguento mais.

Eu sabia que a situação estava ruim, mas o que me levou a mudar de navegador foi abrir o Safari ontem, para me certificar de que um problema no Gizmodo não era específico do Chrome (eu não me surpreenderia se fosse). Então eu fiquei surpreso. O Safari era… rápido!

Então por que o Firefox, em vez do Safari? Foi basicamente pelas mesmas razões que eu não mudei para o Opera ou algo assim. O Firefox não é o navegador mais enxuto ou mais rápido que existe. Na verdade, ele é que estava cheio de bloatware quando o Chrome foi lançado. Mas no momento, ele está rodando muito melhor do que o Chrome (para mim, até agora), e ainda oferece vários dos mesmos confortos agora necessários, que me mantiveram preso ao navegador do Google por tanto tempo.

O Firefox tem uma grande biblioteca de extensões; tem um aplicativo no Android, caso eu resolva abandonar o navegador do Google no meu smartphone também; ele tem até uns truques bacanas (mesmo que supérfluos), como suporte ao Oculus Rift! Mas o mais importante: ele é mais rápido e, até agora, mais estável do que o Google Chrome.

Mudar de navegador não é difícil. Basta importar seu histórico e favoritos do Chrome no Firefox, uma opção que você recebe ao instalar; é como chegar a uma nova casa e descobrir que a maioria das suas coisas já estão lá.

Eu tive que caçar algumas extensões (LastPass, por exemplo) e mudar o mecanismo de busca padrão (nos EUA, é o Yahoo!). Além disso, estranhamente, o Gmail se recusou a carregar até que eu limpasse o cache. Mas fora isso, a transição foi indolor.

Se você está cansado de travamentos, uso exagerado de memória, problemas de desempenho, entre outros, mude logo de navegador. Você sabe que vem pensando nisso, e eu estou aqui para fazer isso acontecer de vez. Baixe a versão mais recente do Firefox e você estará pronto para outra.