Já faz tempo que o WhatsApp tem acesso por computadores, mas ele ainda é bastante limitado. Além disso, não é possível usar a mesma conta em dois smartphones sem gambiarras. Isso pode se melhorar em breve: o aplicativo deve liberar nos próximos meses um teste beta público de seu recurso de múltiplos dispositivos, com suporte simultâneo a até quatro aparelhos.

As novidades foram reveladas pelo próprio CEO do Facebook, Mark Zuckerberg. Ele e Will Cathcart, chefe de WhatsApp na empresa, deram uma entrevista ao site WABetaInfo, especializado em trazer novidades do aplicativo de mensagens. A entrevista foi feita via WhatsApp, obviamente, com direito a prints da conversa publicados no site.

Além disso, Cathcart disse que o suporte a vários dispositivos tornará possível um WhatsApp para iPad — atualmente, o tablet da Apple não conta com o aplicativo. No entanto, ele não confirmou se ou quando isso vai acontecer. O mensageiro também deve ganhar recursos de imagens e vídeos que só podem ser vistos uma vez e também de conversas que desaparecem automaticamente.

Criptografia de ponta-a-ponta continua

Um dos grandes recursos de segurança do WhatsApp é a chamada criptografia de ponta-a-ponta (E2EE). Ela garante que as mensagens só possam ser visualizadas pelo remetente e pelo destinatário, que são quem detém as chaves para descriptografá-las, e protege o conteúdo em caso de interceptação.

Para efeito de comparação, o Telegram não tem criptografia de ponta-a-ponta ativada por padrão, apenas nos chats secretos — o aplicativo usa criptografia cliente-servidor e servidor-cliente, o que permite acessar as mensagens de múltiplos dispositivos.

Assine a newsletter do Gizmodo

Por isso, sempre houve dúvidas se o suporte a múltiplos dispositivos encerraria o fim dessa criptografia no WhatsApp. Zuckerberg diz que não será necessário: a criptografia de ponta-a-ponta continua. “Ainda será criptografado de ponta a ponta. Tem sido um grande desafio técnico fazer com que todas as suas mensagens e conteúdo sincronizem corretamente entre os dispositivos, mesmo quando a bateria do telefone acaba, mas resolvemos isso e estamos ansiosos para lançá-lo em breve!”

[WABetaInfo via The Verge]